Na geriatria, a teleconsulta surpreende médicos e pacientes – Afina Menina

Na geriatria, a teleconsulta surpreende médicos e pacientes

Para os pacientes que estão entre o grupo de maior risco para a Covid-19, a teleconsulta tem se revelado um recurso que vai além de contribuir com a necessidade de isolamento social. A tecnologia está construindo uma forma de relacionamento ainda mais próxima entre médico geriatra e paciente e proporcionando cuidados com a saúde ainda mais eficientes

Cerca de 30% da carteira de vidas da Conexa Saúde, maior plataforma independente de telemedicina do Brasil, são de pessoas com idade acima de 65 anos. Isso representa um total de 1,2 milhão de pessoas que têm a sua disposição a possibilidade de usufruir de uma teleconsulta. Um benefício importante, principalmente, em tempos de pandemia do novo coronavírus e da necessidade de isolamento social desse grupo de alto risco para Convid-19.

Usuária da plataforma da Conexa Saúde, a médica geriatra do Hospital Santa Paula, Maristela Soubihe, atende em seu consultório pacientes entre 50 e 99 anos e avalia que a teleconsulta, diferentemente do que muitos podem pensar, contribui para aproximar ainda mais médico e paciente. “Eu fico mais disponível em termos de horários e tenho contato mais vezes com meu paciente, o que em geriatria é de extrema importância. Também posso atender situações de urgência de maneira mais rápida e segura se estou fora do consultório”, afirma.

“Com a teleconsulta, eu entro na casa do paciente”

A médica tem atendido cerca de metade de sua clientela por teleconsulta durante a pandemia e aponta outros benefícios da tecnologia, além da contribuição com o isolamento social dessa população em tempos de pandemia. “Em uma teleconsulta eu entro na casa do paciente e posso ver a caixinha do remédio, o chinelo que ele usa, o travesseiro e a cama que ele dorme. Dados importantes no cuidado do idoso”, afirma. Nas consultas presenciais, informações como essas, explica a especialista, são descritas e sempre carregam subjetividade.

Sobre dificuldades com a tecnologia, Maristela diz que podem existir e são mais frequentes na faixa etária a partir dos 70 ou 75 anos ou de um paciente mais debilitado. Nesse caso, o idoso pode precisar de ajuda de um familiar ou do cuidador para baixar o aplicativo, inserir senha e fazer a chamada. No entanto, esse seria o paciente que em uma consulta presencial estaria acompanhado de alguém.

Veja mais  Campanha incentiva população a agradecer quem está na linha de frente do combate à Covid-19

Mas a dificuldade de lidar com a tecnologia está longe de ser regra entre os idosos. Há pessoas como Wilsonia Mesquita Andrade Alves, 73 anos, que já em sua primeira experiência com teleconsulta passou a ser defensora da facilidade. Moradora da cidade de Guarullhos (SP), ela conta que foi avisada pelo seu convênio durante a pandemia sobre a possibilidade da teleconsulta por meio do aplicativo da Conexa Saúde. “Fiquei curiosa e assisti o vídeo com o passo a passo e já treinei”, diz.

“Um anjo da guarda no celular”
Dias depois, em casa acompanhada do marido que é idoso e tem problemas de saúde, Wilsonia começou a sentir uma forte de ouvido. “Se não tivesse o aplicativo eu teria que ir até ao atendimento mais próximo de meu plano de saúde que fica no bairro de Santana, em São Paulo”, diz. Decidiu testar o aplicativo. Ela conta que foi rapidamente atendida por vídeo no celular por uma profissional de saúde que fez uma série de perguntas sobre seu estado e na sequência passou para a médica otorrinolaringologista. “Fui atendida com o mesmo cuidado e atenção de uma consulta presencial. Além de perguntar sobre sintomas, histórico de saúde, pediu para pressionar as regiões que estavam com dor e explicar a sensação”, explica.

Segundo Wilsonia, a médica prescreveu um medicamento para pingar no ouvido, mandou a receita digital pelo celular e ficou de ligar em dois dias para ver como ela estava passando. Entre a consulta, a compra do remédio e sua medicação foram apenas duas horas e a noite, a paciente já estava sem dor. Dois dias depois, conforme combinado, Wisonia recebeu a ligação da médica. “Fiquei maravilhada com a facilidade da tecnologia e a qualidade do atendimento. Para nós que temos mais idade é como ter um anjo da guarda no celular”, conta.

Sobre a Conexa Saúde

Maior plataforma independente de telemedicina do Brasil, a Conexa Saúde foi fundada no Rio de Janeiro em 2016, como uma clínica de saúde voltada à atenção primária. Em 2017, reformulou seu modelo de negócios e adotou a telemedicina, com uma plataforma digital que promove a conexão entre pacientes e profissionais de saúde. Por meio dessa tecnologia, implementa serviços de saúde a distância, obedecendo protocolos médicos e de segurança da informação de alta confiabilidade. A empresa tem como missão revolucionar o acesso à saúde, tornando a jornada e a experiência do paciente mais fácil, segura e humanizada.

Veja mais  Dente de vampiro na vida real

A Conexa Saúde foi criada pelo empresário Fernando Domingues e é dirigida pelo médico Guilherme Weigert, na posição de CEO. Em sua estrutura organizacional, a Conexa Saúde atua com dois conselhos – administração e médico. No conselho de administração estão nomes como Marcelo Saad, Sidney Breyer, Tiago Soares, Rodrigo Catunda e Luiz Fraga. No conselho médico, por sua vez, estão Roberto Botelho, Otávio Gebara, Claudio Domênico e Ben-Hur Ferraz Neto. Na carteira de clientes estão hospitais, operadoras de saúde, laboratórios, além de grandes empresas do varejo e do setor financeiro. São nomes como Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Droga Raia, Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) etc.

Entre as soluções oferecidas, sempre personalizadas de acordo com a necessidade de cada cliente estão: licenciamento da plataforma de telemedicina para hospitais e instituições de saúde; teleorientação, em que a empresa contrata a plataforma para proporcionar orientação médica a seus clientes ou colaboradores; teleinterconsulta, permite ao médico clínico acionar de maneira remota um colega especialista para ter a segunda opinião sobre o caso de seu paciente. Outro destaque é a rede de médicos Conexa, com mais de 20 especialidades, entre elas, infectologia, neurologia, ortopedia, pediatria, pneumologia, cardiologia, endocrinologia, clínica geral, dermatologia e hematologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *