Convulsão e Epilepsia: entenda a diferença

Apesar dos dois termos estarem associados, eles não são sinônimos

Perda da consciência, movimentos involuntários do corpo, lábios azulados, salivação excessiva e olhos virados para cima são algumas das características de uma crise neurológica que geralmente confunde as pessoas: convulsão ou epilepsia?

Segundo a Dra. Vanessa Holanda, Diretora de Comunicação da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, essa é uma dúvida frequente tanto nos consultórios, como na internet. Porém, é importante entender que embora estejam relacionados, um não é sinônimo do outro.

“A epilepsia é uma patologia neurológica que tem como um de seus sintomas episódios de convulsões”, explica.

 

Conheça a Epilepsia

A epilepsia é uma doença bastante comum e que atinge milhões de pessoas por todo o mundo, provocada por uma atividade excessiva e anormal de neurônios, que são as células que compõem o cérebro. Além das convulsões, o indivíduo que sofre de epilepsia também pode apresentar confusão mental, amnésia, formigamentos, fadiga, ansiedade, dores de cabeça e até mesmo a sonolência. Essa doença geralmente é associada a fatores genéticos ou sequelas de um grande trauma.

“Quando a pessoa tem o diagnóstico de Epilepsia, é recomendado uso controlado de medicamento para cessar os sintomas e, em casos mais graves e complexos, uma neurocirurgia pode ser recomendada para ajudar na diminuição dos sintomas associados, principalmente às convulsões”, comenta a médica.

Vale lembrar que além de a convulsão não ser o mesmo que epilepsia, existem outras condições que podem provocar as convulsões.

“Uma convulsão pode ser sintoma de tumores cerebrais, infecções, abstinência depois do consumo de álcool e drogas ilícitas, traumatismo craniano, falta de oxigênio no cérebro, traumas, entre outros. Portanto podemos dizer que a convulsão não é uma doença, mas sim uma consequência neurológica de alguma anomalia em nosso corpo”, explica a neurocirurgiã.

Como agir ao presenciar uma crise de convulsão

Se você presenciar uma pessoa em crise de convulsão, o primeiro passo é criar um ambiente seguro para que ela não se machuque e venha a causar algum traumatismo na cabeça.  Para tanto, siga estas dicas:

1.    Ligue para algum serviço de emergência como bombeiros ou SAMU;

2.    Afaste curiosos e objetos próximos para que a pessoa não possa se machucar;

3.    Solte as roupas, como gravatas e cintos;

4.    Proteja a cabeça da vítima colocando as duas mãos ou algo acolchoado abaixo do crânio, evitando assim um trauma maior;

5.    Nunca dar nada para a pessoa cheirar ou beber;

6.    Não colocar os dedos na boca da vítima, nem tentar retirar qualquer tipo de objeto do interior da boca dela.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar