Saiba como a iluminação pode contribuir para o bem-estar em projetos de imóveis pequenos

De acordo com os arquitetos Erika Mello e Renato Andrade, do escritório Andrade & Mello Arquitetura, a iluminação bem pensada transforma os ambientes, permite a sensação de conforto e abrange, até mesmo, a percepção de amplitude

Não é novidade que os imóveis pequenos – em média, abaixo de 60m² – fazem parte do cotidiano da maioria dos brasileiros. Com esse advento, surgem infinidades de dicas e soluções empregadas com o intuito de agregar mais conforto e amplitude, mesmo com as restrições trazidas por plantas com metragens reduzidas. Além da marcenaria, que equaciona um mobiliário bem desenhado e de acordo com as demandas, a iluminação é uma aliada a ser considerada.

Para a arquiteta Erika Mello, do escritório Andrade & Mello Arquitetura, o jogo de luzes do projeto luminotécnico altera a atmosfera de um local. Aplicada com estratégia e moderação, a iluminação bem pensada evoca diferentes cenários e configurações dentro do mesmo espaço, acompanhando a rotina dos moradores. “A iluminação certa é capaz de proporcionar comodidade e aconchego, além de ampliar as áreas mais enxutas. Mas, para isso é necessário analisar o que será desenvolvido em cada ambiente”, reitera a profissional.

Para auxiliar sobre como direcionar a iluminação para tirar o melhor proveito do décor de aptos pequenos, Erika, ao lado de seu sócio, o também arquiteto Renato Andrade, elencaram cinco passos que seguem em seus projetos. Acompanhe:

 

1.     Por onde começar?

No dormitório pequeno, a estratégia adotada pela dupla de arquitetos foi combinar a iluminação indireta e embutida atrás do forro com os dois pendentes instalados nas laterais da cama. O tom amarelo das lâmpadas evoca o acolhimento e combinou com a tranquilidade transmitida pelo azul, predominante na decoração | Foto: Luis Gomes

Escolher a iluminação correta para um ambiente não é uma missão difícil, mas se tratando de espaços pequenos, a escolha acertada faz toda a diferença. De acordo com o profissional Renato Andrade, consultar um especialista, como um arquiteto ou um designer de interiores, é imprescindível para evitar possíveis erros ou mesmo desperdício de recursos ao comprar uma lâmpada, luminária ou LED que não faça sentido para o ambiente selecionado. “Indicamos começar com um briefing do espaço, um plano de atividade ou até locação de luminárias para testar. Considerar as sombras e a relação da iluminação com as cores escolhidas para o décor também é essencial para alcançar a amplitude tão sonhada. Desta forma, erros são mitigados“, explica.

2.     Tipos de iluminação

Luzes indiretas são charmosas e propiciam destaque para áreas consideradas importantes para os moradores. Segundo a arquiteta Erika Mello, a iluminação geral não deve ser descartada de um projeto e o recurso indireto pode ser contemplado com uma função complementar. Esse pensamento faz sentido, uma vez que a luz total, pensada para aclarar um ambiente como um todo, configura-se como a mais funcional, principalmente em momentos de faxina, estudo, trabalho ou nas atividades na cozinha. “Em nossos projetos, trabalhamos a iluminação indireta para realçar objetos específicos, além de criar um clima intimista”, conta.

Com relação à luz quente ou fria, Renato relata que dificilmente opta por versões acima de 4.000K, por conta do desconforto aos olhos e por não julgar interessante para o uso em projetos residenciais. “O emprego da luz fria é muito específico ou para atender um pedido pontual do cliente. Em casas, o caminho é optar por uma lâmpada mais neutra”, complementa.

Além disso, a luz natural deve ser sempre favorecida. A luz do dia provoca um outro clima para o ambiente, promove o bem-estar e, em tempos de tarifas elevadas, auxilia na contenção dos gastos mensais da conta de energia elétrica.

Neste dormitório, a luminária fica próxima da cama do casal, mas não precisa ser acionada durante o dia por conta da iluminação natural oriunda da janela |Foto: Luis Gomes

3.     Para não errar

 

Quando a iluminação de um espaço compacto não está em harmonia com a paleta de cores ou móveis presentes, o resultado é constatado em sensações de desconforto, sufocamento e, em casos mais severos, dores de cabeça. Para evitar que a luz de casa seja uma vilã, luminária e lâmpada precisam de uma avaliação apurada antes de fechar a compra. “Um dos deslizes mais comuns é a inserção da luz branca na sala de estar, o branco na iluminação é uma cor fria, não traz conforto, e é desagradável quando o morador passa muitas horas no ambiente”, destaca Erika. Outro equívoco recorrente é a colocação de lustres – geralmente de cristal. “Essas peças ocupam muito espaço e são mais indicadas em cômodos amplos“, complementa.

Nesta cozinha, a iluminação indireta foi inserida nos armários, que além de deixar o espaço mais charmoso, auxilia na elaboração de pratos | Foto: Luis Gomes

4.     A iluminação como decoração

Principalmente em apartamentos pequenos, a luminária como um item decorativo deixa o décor ainda mais atrativo e cheio de personalidade, além de evidenciar uma área específica. Um exemplo é a inserção de uma luminária ao lado de uma poltrona, que pode ser direcionada para diferentes usos como o momento da leitura ou enquanto assiste o programa preferido na TV. “Nestes casos, é bacana analisar os cantinhos disponíveis e trabalhar no equilíbrio para que o imóvel não transmita a percepção de carregado. As peças menores costumam ser as mais adequadas em ambientes compactos”, sugere Renato.

Na composição assimétrica dos nichos executados em marcenaria e serralheria, as pequenas luminárias exercem dupla atribuição: junto com o iluminar, o estilo delas contribuiu para o décor moderno e despojado | Foto: Emerson Rodrigues

5.     Ambiente por ambiente

 

Para a dupla do Andrade & Mello Arquitetura, a iluminação ideal se torna ainda mais convidativa e tem o poder de destacar a proposta do décor em um contexto pautado pelo conforto visual. Veja as recomendações:

· Cozinha e lavanderia: A luz branca é a ideal para aumentar a luminosidade, já que se trata de ambientes com bastante atividades. Entretanto, em ambientes integrados com outras áreas, como a sala de jantar e estar, o ideal é manter a tonalidade em todos os ambientes, neste caso com o branco morno (3000k);

·   Sala de estar e jantar: Ao reunir pessoas para refeições, é essencial que a iluminação seja mais intensa, por isso os pendentes são muito bem-vindos sobre a mesa. Entretanto, no estar uma luminária de piso ou posicionada em uma mesa de centro ou lateral se revelam como escolhas agradáveis;

 

· Dormitórios: Em cômodos pequenos, deve-se sempre pensar na iluminação que traga mais comodidade. Portanto, a utilização de trilhos com spots permite-se criar um jogo de luz e sombra que são ideais para relaxar após um dia intenso de trabalho. Além disso, arandelas e pequenos pendentes nas laterais das camas ou na cabeceira, trazem soluções adoráveis para quem busca suavidade;

 

·  Banheiro: Trabalhar em uma iluminação embutida difusa, que se camufla com o forro, é o clássico de projetos residenciais de banheiros. Além disso, próximo do espelho, é interessante inserir uma arandela para auxiliar em situações como a maquiagem ou o fazer a barba, se desejado.

No banheiro, a iluminação destaca o espelho e trouxe a sensação de mais dimensão no ambiente enxuto | Foto: Luis Gomes

Conheça alguns produtos da marca Yamamura, especialista em iluminação, que contribuem com ambientes pequenos:

1. Luminária de mesa de metal e concreto, com acabamento dourado, para uma lâmpada bulbo de soquete E27, por R$ 162

2. Luminária de mesa em alumínio com led integrado, cinza chumbo, por R$ 349

3. Luminária de piso de metal, na cor preta, por R$ 791

4. Spot duplo com canopla e led integrado, na cor preta, por R$ 169

5. Arandela em metal preta com suporte, por R$ 518

 

As peças podem ser compradas pelo site da marca ou nas lojas físicas.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar