Mulheres Pós 2020: o que espera as mulheres no futuro pós pandemia – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Mulheres Pós 2020: o que espera as mulheres no futuro pós pandemia

Evento comandado por Ana Paula Padrão debate temas urgentes como justiça racial, educação e invisibilidade do trabalho doméstico

Nos próximos dias 27, 28 e 29 de abril, acontece Mulheres Pós 2020, evento idealizado pelas jornalistas Ana Paula Padrão e Lia Rizzo e pelo publicitário Cristiano Diniz, dedicado a debater as consequências da maior crise sanitária e humanitária do século, cujas grandes vítimas são mulheres. Em todo o mundo, já é possível afirmar que são elas as mais afetadas pelos efeitos diretos e indiretos da COVID-19. Em maior ou menor escala, conforme condições de vulnerabilidade prévias à chegada da pandemia, mulheres são as que mais perdem emprego, recursos, saúde e uma série de possibilidades.

De um estúdio em São Paulo, Ana Paula Padrão abrirá a programação que, em seus três dias, contará com mais de 20 mulheres entre líderes, ativistas e especialistas nos temas considerados mais urgentes como justiça racial, educação, sustentabilidade, saúde mental e as mulheres invisibilizadas. “Temos a consciência de que estamos diante de enormes desafios, alguns inéditos, outros que voltam com o retrocesso na jornada por equidade de gênero”, aponta a jornalista.

Transmitido ao vivo por Universa, plataforma de conteúdo feminino do UOL, Mulheres Pós 2020 conta com entrevistas e participações especiais de nomes como Silvia Federici, filósofa, professora e escritora feminista, especializada em trabalho doméstico e as consequências de sua invisibilidade para a economia; Stefania Giannini, diretora adjunta de educação da UNESCO e maior autoridade do setor na ONU; e Pamela Figueroa, cientista política chilena que foi secretária de governo da ex-presidente Michelle Bachelet e uma das responsáveis por formular a lei de cotas para mulheres nos pleitos eleitorais do País.

Justiça racial, educação e sustentabilidade

Curadora do evento, Lia Rizzo, que também é pesquisadora de economia de gênero, conta que o ponto de partida para pensar a programação foi uma questão simples, mas cuja resposta pode ser bastante complexa: “Quantos futuros somos capazes de imaginar, vivendo uma crise sanitária e humanitária, que a cada semana traz elementos novos que impactam ainda mais um cenário já muito dramático para mulheres?”, reflete. Até o terceiro trimestre de 2020, 8,5 milhões de mulheres já tinham deixado a força de trabalho, conforme dado mais recente divulgado pela Pnad Contínua. Mulheres negras, trabalhadoras informais e mães solo são a maioria entre as desempregadas.

Idealizada em três blocos, a grade de Mulheres Pós 2020 começa dedicada a debater Justiça Racial. “Mesmo com os esforços crescentes, com um debate mais amplo em torno da diversidade, estávamos longe de ver os discursos refletidos em ações. Mulheres negras já vinham atrasadas, em condições de desvantagem e agora estão ficando ainda mais para trás”, lembra Lia Rizzo.

Muitas mulheres cogitam abandonar definitivamente suas carreiras, depois de pouco mais de um ano com escolas fechadas, sem contar com redes de apoio quando trabalham em home office e diante do aumento da carga mental. No segundo dia do evento, a escritora e ativista social Joice Berth abre a programação com uma entrevista exclusiva com Stefania Giannini, seguida de uma discussão em torno do colapso na educação brasileira em painel formado por especialistas e acadêmicas. Completam a grade dois painéis sobre sustentabilidade. No primeiro, uma reflexão sobre o peso deste tema nos comportamentos de consumo e, na sequência, a crescente e saudável pressão por investimentos mais sustentáveis e ESG (Environmental, Social and Corporate Governance).

Perspectiva de gênero nas estruturas

Observando as dificuldades e oscilações enfrentadas no Brasil, cuja situação hoje é considerada das mais críticas em relação ao status da pandemia, o terceiro e último dia começa com painel focado em saúde mental e como existe a possibilidade de esta ser a nova epidemia a que estamos expostos. Depois, a atenção é para o caminho empreendedor diante de tantas adversidades e das dificuldades características para mulheres, tema do debate seguinte, que abordará ainda o relevante papel e apoio da iniciativa privada.

Numa entrevista exclusiva, a cientista política Pamela Figueroa diz como revisões sob perspectiva de gênero se farão necessárias em muitas outras estruturas para apoiar a retomada por igualdade. Na sequência, o último painel da grade se propõe a pensar caminhos, políticas públicas e iniciativas necessárias para que mais mulheres possam emergir. O evento é encerrado com uma entrevista exclusiva com a filósofa Silvia Federici, pioneira ao tratar a invisibilidade e o custo do trabalho doméstico, escancarado pela pandemia.

Um evento sobre mulheres, mas para todos

Para Cristiano Diniz, diretor comercial do evento, “apesar dos temas focados nas mulheres, é um evento para todos; é importantíssimo que os homens também adquiram mais conhecimento e tenho a certeza de que levaremos muita informação importante para as pessoas, abrindo a mente, proporcionando novas ideias e a vontade de fazer a diferença”.

Mulheres Pós 2020 terá transmissão online e gratuita e conta com a parceria de conteúdo e apresentação de Universa UOL. Tem patrocínio master do Grupo Hinode e da BRF, patrocínio de Ambev, BTG Pactual, Riachuelo, Bonafont, Irani e Pepsico, e apoio de Azul Linhas Aéreas, Chili Beans, Codorniu, Evian, LivUp, On E-Stadium, Studios Apple e Vinhos Periquita.

SERVIÇO:

Mulheres Pós 2020 (@mulherespos2020) – evento online e gratuito

Datas: 27, 28 e 29 de abril de 2021, a partir das 18h30

Inscrições gratuitas: mulherespos2020.com

Hashtags oficiais: #MulheresPós2020 #WomenBeyond2020

 

PROGRAMAÇÃO MULHERES PÓS 2020

 

DIA 27 DE ABRIL, A PARTIR DAS 18H30

Abertura: Ana Paula Padrão (jornalista)

Painel 1: “Estamos finalmente falando sobre justiça racial” com Alessandra Devulsky (advogada e pesquisadora), Júlia Rocha (médica e escritora), Marta Rodriguez de Assis (Profe da FGV Direito SP e pesquisadora do Afro/Cebrap)

Mediadora: Cynthia Martins (jornalista)

Painel 2: “Justiça Racial nas empresas: caminhos necessários e efetivos” com Jandaraci Araújo (Ger de desenvolvimento sustentável do Santander Brasil), Sheila de Oliveira (advogada de Direitos Humanos) e Mafoane Odara (psicóloga e consultora de Diversidade & Inclusão)

Mediadora: Luciana Barreto (jornalista)

Speech final: Luiza Helena Trajano (Pres do Conselho do Magazine Luiza e Pres do Mulheres do Brasil) – “Políticas empresariais e sociais para negros”

Show: Ju Moraes (cantora)

DIA 28 DE ABRIL, A PARTIR DAS 18H30

Abertura: Ana Paula Padrão (jornalista)

Entrevista: Stefania Giannini (Diretora-Geral da Unesco para Educação), por Joice Berth

Painel 1: “Pandemia, um colapso na educação

e por que as principais vítimas são as mulheres” com Luanda Moraes (Reitora da UEZO – Universidade Estadual da Zona Oeste do RJ) Lourdes Atié (socióloga) e Priscila Cruz (Presidente do Todos pela Educação)

Mediadora: Deh Bastos (comunicadora)

Entrevista: Grazielle Parenti (VP Global de Rel. Inst. e Sust. – BRF), por Ana Paula Padrão – “Metas de Inclusão Impactando Bônus de Executivos”

Painel 2: “A saudável pressão por investimentos mais sustentáveis e diversos” com Andrea Quintana (Ger de Mkt e Inovação – Irani), Grazielle Parenti (VP Global de Rel. Inst. e Sust. – BRF) e Mariana Oiticica (Head ESG – BTG Pactual)

Mediadora: Tatiana Schibuola (Ger geral de marcas editoriais do UOL)

Painel 3: “Mudanças no consumo: uma janela para um mundo mais sustentável” com Erica Migales (Dir Mkt e Trade Mkt – Danone), Cintia Gonçalves (Founder da Wix&Watchers) e Marcela Kanner (Dir Mkt – Riachuelo)

Mediadora: Claudia Lima (jornalista)

DIA 29 DE ABRIL, A PARTIR DAS 18H30

Abertura: Ana Paula Padrão (jornalista)

Painel 1: “Um burnout mundial: como evitar a epidemia do esgotamento mental” com Camila Almeida (Dir Pessoas – Azul), Mariana Holanda (Dir Saúde Mental – AMBEV) e Viviane Elias Moreira (Ger Resiliência Corporativa United Health)

Mediadora: Maíra Liguori (jornalista)

Entrevista: Marília Rocca (CEO Grupo Hinode), por Ana Paula Padrão – “Sustentabilidade Social como um Modelo de Negócios”

Painel 2: “O Papel Decisivo das Empresas para Devolver Oportunidades e Autonomia às Mulheres”, com Ana Fontes (CEO Rede Mulher Empreendedora), Crisciane Rodrigues (Pres Comitê Líderes Grupo Hinode) e Flavia Schlesinger (VP Finanças Pepsico)

Mediadora: Dolores Orosco (Chefe Redação Universa UOL)

Speech: Pamela Figueroa (cientista política – Chile)

Painel 3: “Mulheres pós 2020: como resgatar aquelas que estão ficando pelo caminho” com Flavia Rodrigues (Pres Comitê Mulheres Paraisópolis), Ilona Szabó (Pres Instituto Igarapé) e Paula Tavares (Adv e Especialista Banco Mundial)

Mediadora: Joyce Ribeiro (jornalista)

Entrevista: Silvia Federici (escritora e filósofa), por Lia Rizzo – “Precisamos Falar Sobre o Custo do Trabalho Invisível das Mulheres”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *