Você tem fome de quê? – Afina Menina

Você tem fome de quê?

Durante a pandemia do Coronavírus, em especial durante o período de quarentena, as pessoas que puderam se refugiaram em suas casas. E, nesse retorno à caverna, a fome tem sido um dos principais assuntos nas redes sociais e nos memes da internet.

Por isso, vamos nos debruçar e investigar de que fome estamos falando: fome física ou fome emocional?

Organicamente, os hormônios e enzimas secretados pelo estômago alertam o cérebro de que é hora de comer. Porém, durante a pandemia do Covid-19, as pessoas estão apresentando a tal fome emocional.

Comer traz memórias de afeto

Comemos porque estamos ansiosos pelas incertezas do futuro. Comemos porque estamos tristes e isolados em casa. Comemos pela falta de um abraço amigo. Comemos porque a comida é um item relacionado estreitamente com o afeto. Lembra quando você era pequena e a avó fazia aquele bolo de cenoura com recheio de brigadeiro e cobertura de chocolate crocante? Era afeto.

Nós trazemos essas e outras memórias afetivas que vão nos acompanhar vida afora. A questão não é comer, porque precisamos de comida para viver. Mas é a escolha geralmente pelas comidas mais doces, mais enfarinhadas, mais folheadas possíveis. As gorduras e o açúcar são elementos que nos causam vício parecido com o da droga. Só que lícitas. Sim, no livro “Sem Açúcar, com Afeto”, Sônia Hirsch traça um histórico que nos revela desde os tempos da cana-de-açúcar os efeitos danosos do doce em si.

Se sabemos que a fome é emocional, por que insistimos e vamos de novo lá na geladeira comer mais um pedaço de pudim? É que, se a vida não está satisfatória, você precisa preencher esse vazio. Porém, o estômago não vai conseguir suprir essa falta.

E quando comemos pelos nossos ancestrais?

Mas não é apenas a insatisfação que nos leva à compulsão pela comida. A Constelação Familiar vem nos esclarecer que somos resultado de vários dos nossos ancestrais. E vamos lembrar: eles vieram fugidos da guerra, passaram muita privação, fome e escassez. Você não conhece pessoas que estocam comida sem necessidade? Lembra quando houve a ameaça do fechamento total dos supermercados? Imediatamente você viu pessoas que ativaram os genes dos seus antepassados e foram correndo estocar comida e materiais essenciais. Carregamos nos nossos genes memórias dos nossos antepassados e, muitas vezes, não comemos por nós.

Vou contar uma história que ocorreu na minha formação em Constelação Familiar e cabe muito bem aqui. Depois de tratar de muitas questões da vida, uma me incomodava: o sobrepeso. Resolvemos olhar para isso. Sabe o que aconteceu? O representante do sobrepeso ficou o tempo todo ao lado do meu representante, gostava de mim!

Para quem não tem familiaridade com Constelação Familiar, nas Constelações em grupo convocamos pessoas para que sejam representantes das nossas dinâmicas familiares. Era uma Constelação oculta, em que ninguém sabia quem representava o quê.

Naquela ocasião, percebi que eu não posso estar contra o meu sobrepeso, mas honrar essa história que me fez chegar até aqui, incluir o sobrepeso na minha trajetória e guardá-lo no coração, decidindo fazer diferente e, claro, pagar o preço para alcançar um outro peso na balança. Depois disso, minha compulsão alimentar melhorou bastante (claro que ainda ataco um pacote de Bis inteiro, mas com bem menos frequência!).

Em outras situações, as pessoas em geral não são notadas. Isso não é da vida adulta, mas nós fomos olhados de forma muito rápida pelos nossos cuidadores. E isso causou um vazio, que muitas vezes é também preenchido com comida. Ao chegar aos cem quilos, saúde deficitária, dificuldade para respirar, péssimo preparo físico, juntas doendo, as pessoas querem ser vistas inconscientemente. Isso explica muitas das questões de obesidade mórbida. As pessoas se inflam como balões para que assim, na cara da outra pessoa, elas sejam notadas. Como se dissesse: “Agora é impossível você não me ver”.

Veja mais  Conheça as técnicas de harmonização facial que rejuvenescem sem cirurgia

Eu me deparei com isso em uma sessão de Psicoterapia Reencarnacionista. Em uma das vidas passadas, eu era uma mulher enorme, pés achatados pelo peso gigantesco, era por volta da Idade Média. Eu vendia jarros de barro na feira. As pessoas admiravam o meu trabalho, mas não olhavam para mim. Eu era invisível mesmo com todo aquele tamanho. Tinha sentimentos de inferioridade, tristeza, raiva, tudo misturado. Depois da experiência, minha autoestima deu um salto, decidi ser protagonista, ir para o palco assumir meu verdadeiro lugar. E notei que muitas vezes optei por ficar nos bastidores e dar holofotes a terceiros, inclusive na escolha da profissão.

Cor verde musgo na cozinha contra a compulsão alimentar

Existem muitos outros gatilhos que nos fazem correr para o armário da cozinha. Aliás, você sabia que uma das formas de amenizar a compulsão alimentar é optar pela cozinha em tons de verde musgo, que trazem várias nuances de cura?

A terapeuta quântica Lucélia Martins explica: a psicodinâmica das cores utiliza o estudo da ontologia e da filogenética e traz toda trajetória da humanidade desde a sua formação. Um exemplo: enxergamos a violência e a proibição, como as placas de trânsito, pela cor vermelha. Os primeiros humanos viram o vermelho sob a forma de vulcões, fogo, sangue. E nós herdamos essas associações.

Estratégias para deter a fome emocional

Já o médico Deepak Chopra, autor do livro que dá título ao artigo, “Você tem fome de quê”, traz algumas estratégias para que possamos atrasar o ato de levar a comida à boca por fome emocional. São elas:
1. Faça uma pausa e respire fundo. Em geral, após 40 segundos de pausa, conseguimos deter a impulsividade.
2. Pergunte-se se essa fome está sendo estimulada por um padrão familiar, por estar se sentindo entediado, inquieto, triste ou querendo alguma distração.
3. Verifique se um deles está presente.
4. Ao identificar o gatilho, indague se você realmente precisa comer.
5. Talvez seja hora de encontrar uma atividade alternativa para que esse momento passe, por meio de alguma atividade doméstica, ligar para um amigo, ler um livro ou beber água.

Outra estratégia que pode ajudar a combater a fome emocional seja ter plena consciência do ato de comer, denominado de mindful eating. Quando fiz os três retiros de Meditação Vipassana, com dez dias de silêncio absoluto, o ato de comer com consciência era um dos exercícios de autoconhecimento. Sem celular, sem televisão, sem poder olhar para outra pessoa. Foco total em cada movimento.

Os profissionais de Somatic Experience (SE) também dão sua contribuição. Está com uma vontade louca de chocolate? Feche os olhos, imagine abrindo a embalagem do seu chocolate preferido, sinta o cheiro que vem da embalagem recém-aberta, a textura do chocolate nas mãos, sua consistência, maciez, leve um quadradinho à boca, saboreie o chocolate derretendo na sua língua, direcionando para a garganta aquela sensação toda do doce sendo absorvido. Faça essa experiência e depois me conte se sua vontade de comer aquele chocolate conseguiu ser pelo menos adiada para outro momento. De momento em momento, você poderá trabalhar sua compulsividade.

Veja mais  Fitoterápico brasileiro é novo aliado no tratamento da espasticidade

O exercício de dar gratidão ao alimento

Uma última e não menos importante dica é uma filosofia comum a várias religiões. Dar gratidão à comida. Antes de comer, basta uma intenção para que aquele alimento seja transformado em energia salutar para seus corpos físico, mental, emocional e espiritual. No livro “Energia ao Quadrado”, a autora Pam Grout propõe exercícios diversos para nos mostrar que nossa intenção e o que pensamos criam a nossa realidade.

Faça esse exercício (não custa nada!). Primeiro, você vai pensar em cada pedaço de comida que entra no seu corpo como o seu melhor amigo, ou pelo menos entenderá todo o potencial nutritivo que ele carrega. Como se sentir culpado em relação à comida é um hábito arraigado, essa experiência pode ser desafiadora.

Depois, faça esses quatro passos por três dias e sem mudar nada na sua dieta:

  1. Pare de falar mal do seu corpo. E, se possível, evite negatividade de qualquer tipo.
  2. Antes de colocar qualquer alimento dentro do seu corpo, envie a esse alimento pensamentos amorosos, coloque as suas mãos sobre ele, abençoe-o.
  3. Concentre-se em infundir os seus alimentos com amor, alegria e paz.
  4. Pese-se no dia em que você começar a experiência e de novo três dias depois.

Olhe-se no espelho e diga palavras amorosas

Um conselho final de quem já lutou muito contra o sobrepeso e quase morreu por bulimia e anorexia aos 19 anos por ingerir anfetaminas sob orientação médica, diga-se de passagem.

Olhe-se no espelho, veja como você é linda e única, cuide da imagem que você vê no espelho, fale com você em voz alta direcionando palavras de incentivo. “Eu sou linda”. “Eu sou perfeita”. “Eu sou a semelhança do criador”. E uma fala sistêmica da Constelação familiar: “Sobrepeso, você faz parte da minha história até aqui. Vou guardar você sempre no coração. Mas agora opto por fazer diferente”.

Eu adoro recomendar um vídeo no YouTube chamado Maravigold, que exprime sobre esse ato. Uma menina chamada Tatielly Lima dá aquele recado.

Se nada disso te convenceu, assista ao filme Sexy por Acidente! Pode parecer comédia, mas mostra que atitude e autoconfiança são tudo na vida.

Ame-se, em primeiro lugar. Quem tem amor próprio pode estar bem com sua imagem corporal, seja ela qual for. Se você tem sobrepeso, mas cultiva amor próprio, isso não será mais um problema para você. Se você tem sobrepeso, mas quer mudar, é o amor próprio que vai servir de incentivo para pagar o preço de ter uma vida saudável (aquela que todos nós sabemos que é fazer escolhas saudáveis e fazer exercício). Eu diria que mais do que comer com sabedoria e se exercitar, precisamos ter antes de tudo um amor profundo por nós mesmas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *