Emoções negativas são vilãs do emagrecimento

Sentimentos ruins servem de gatilho para que cérebro use a alimentação como “refúgio” emocional; para especialista em obesidade Gladia Bernardi, é importante observar quais são “armadilhas” levam ao excesso de peso

Crédito: Divulgação

São Paulo, setembro de 2019 – Muitas pessoas, quando passam por momentos difíceis, acabam buscando algum tipo de compensação. E, por muitas vezes, a comida acaba ganhando o papel de válvula de escape. Apesar de proporcionar uma satisfação momentânea, a prática não traz benefício algum e sentimentos de fracasso, desânimo, rancor, inveja, tristeza, e até depressão, acabam se tornando verdadeiros inimigos para quem quer emagrecer.

Nossa cérebro aponta, de forma equivocada, que devemos comer uma quantidade exagerada de comida para acabar com determinadas frustrações ou tristezas. Essas atitudes viciam o cérebro e criam um padrão alimentar ruim e desnecessário.

As emoções negativas podem ter o papel de “gatilhos” que disparam reações no nosso cérebro e no nosso corpo e determinam comportamentos que podem nos afastar de nossos objetivos.

“Se nos alimentamos com sentimentos negativos, nossas células também irão receber mensagens ruins. Por isso, quando comemos o chocolate, por exemplo, pensando que vamos engordar, automaticamente o corpo vai entender que aquele alimento ingerido engorda. Uma coisa acaba levando à outra”, comenta Gladia Bernardi, autora do best-seller “Código Secreto do Emagrecimento” (Ed. Gente).

Segundo a especialista, um ponto interessante é observar qual foi ou quais foram os gatilhos emocionais que levaram ao excesso de peso. “Pressão de amigos e familiares? Bullying na época de escola? Exigência do mercado de trabalho? A dificuldade em emagrecer pode ter esta natureza, no passado. Trabalhar a inteligência emocional ajuda a superar tais barreiras e pode fazer a diferença na luta contra a balança”.

Gladia ainda aponta que a inteligência emocional é preponderante para manter o foco na reeducação alimentar e reconhecer quais as barreiras emocionais que impedem o emagrecimento saudável. “Uma dica é elaborar uma lista com os hábitos que impedem seu processo de emagrecimento e identificar quais as emoções que despertam sua vontade de comer. Para acabar com a fome emocional é importante buscar novos caminhos para aliviar esses sentimentos sem a comida e encontrar alternativas práticas para acalmar suas angústias”, completa.

Sobre Gladia Bernardi – Autora do best-seller “Código Secreto do Emagrecimento (Ed. Gente), Gladia Bernardi é nutricionista funcional, especialista em obesidade e em emagrecimento consciente. Há 18 anos pesquisa e trabalha em busca da solução para a obesidade, e após mais de 35 cursos em nutrição, medicina integrativa, física quântica, neurociência e programação neurolinguística, criou seu próprio método, o Emagrecimento Consciente. Por meio de técnicas e ferramentas pioneiras, que dispensam dietas restritivas, prescrição de medicamentos ou intervenções cirúrgicas, o método já eliminou 72 mil toneladas em todo o Brasil e em outros 15 países. Idealizadora do programa online de emagrecimento Casa da Mente Magra, que dura 10 semanas e oferece todo o suporte para quem quer perder peso, com vídeo-aulas, exercícios mentais, programas de exercícios físicos, mitos e verdades sobre diversos tipos de alimentos, entre outros bônus e conteúdos exclusivos.