Outubro Rosa: Conheça 4 exames da Medicina Nuclear que ajudam no diagnóstico precoce e preciso do câncer de mama – Afina Menina

Outubro Rosa: Conheça 4 exames da Medicina Nuclear que ajudam no diagnóstico precoce e preciso do câncer de mama

Tecnologia é eficaz na detecção de lesões e possíveis metástases, aumentando as chances de cura

Outubro é o mês da prevenção ao câncer de mama, doença mais comum entre as mulheres no Brasil e a segunda mais frequente no mundo, segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, por meio da Campanha Outubro Rosa. O diagnóstico precoce aumenta de forma considerável as chances de cura, pois conhecendo-se a extensão da doença (se está localizada ou generalizada) é possível determinar qual o melhor tratamento.

“A Medicina Nuclear conta com tecnologias precisas para determinar o comprometimento dos gânglios (linfonodos que atuam na defesa do organismo) e a existência de metástases e micrometástases”, afirma o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), que explica os exames existentes para o diagnóstico do câncer de mama:

Pesquisa de linfonodo sentinela

O exame é realizado com a injeção de um radiofármaco ao redor do mamilo ou próximo ao tumor – quando realizado em conjunto com ultrassom ou mamografia – que é drenado para os gânglios da axila, de onde se extrai o linfonodo sentinela, que, se estiver acometido pelas células cancerígenas, indica que existem outros gânglios potencialmente comprometidos (micrometástase) e determina a retirada de todos os linfonodos presentes no local, por meio de cirurgia.

Veja mais  Verão: saiba o que comer com saúde para se bronzear

As imagens tomográficas do linfonodo sentinela são captadas pelo equipamento SPECT/CT, tecnologia de diagnóstico por imagem mais precisa, que permite melhor localização anatômica dos achados de cintilografia, permitindo um procedimento menos invasivo.

Cintilografia de mama

Para este exame, também realizado com o equipamento SPECT/CT, é necessária a injeção do radiofármaco na veia, que facilita a identificação das lesões tumorais na mama. A tecnologia permite a localização de lesões mesmo em regiões com mais tecido mamário, o que permite avaliar lesões em que a performance dos métodos habituais está limitada.

ROLL para a marcação de tumores ocultos

A técnica ROLL, sigla em inglês para radioguided occult lesion localization, permite a marcação de lesões mamárias não detectáveis ao toque. As lesões são marcadas pelo radiofármaco injetado diretamente na mama acometida pela doença, guiado pela mamografia ou pela ultrassonografia.

Veja mais  Pandemia exige mais cuidados com a higienização de alimentos

O equipamento Gamaprobe detecta a radiação emitida pelo material injetado e consegue facilitar a operação para o cirurgião favorecendo que a lesão seja seguramente retirada.

PET/CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) com Tomografia Computadorizada (CT))

O exame pode detectar metástases ocultas, inclusive na região óssea, aumentando as chances de tratamento. A localização nos núcleos comprometidos é possível graças ao traçador do radiofármaco aplicado na veia, que é captado pelas células cancerígenas e identificado pelo equipamento PET/CT.

Por meio deste aparelho, a Medicina Nuclear atua também no controle das lesões mamárias malignas, após cirurgia, tratamento com quimioterapia e em mulheres cuja doença já esteja controlada.

Todos os procedimentos estão no ROL da Agência Nacional de Saúde Suplementar, ANS, e são cobertos pelos convênios médicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *