Em paz com a sombra que vive em nós

Nós vivemos fugindo do lado sombra de tudo, como se essa fosse a solução para só termos luz. Para Fernanda Surian, atleta de alta performance no esporte e na vida, não é: “lutar contra o que não desejamos em nós intensifica tudo: o medo, a ansiedade, nossas travas, nossas desilusões. Fazer as pazes com nossas sombras é uma questão de simplificar a vida”.

Fonte: Fernanda Surian

“Ficar frente a frente com a sombra nos dá paz. Isso é verdade para você também?” O questionamento é da atleta de alta performance Fernanda Surian, que se graduou em yoga e realiza um trabalho de incentivar mais qualidade de vida para seus seguidores: “geralmente, acreditamos que temos que focar no trabalho daquilo que é bom, e isso não é uma inverdade. Mas eu aprendi, nesse processo que envolve o Crossfit, a Alta Performance de Vida e o Yoga, que trabalhar nossas potencialidades parte do princípio de estarmos em paz com as nossas debilidades. Não é ignorando nossos defeitos, nossos medos e nossas desmotivações que vamos viver em alegria. Pelo contrário. Fugir de algo acaba fazendo desse algo um fantasma que nos atormenta, mesmo que silenciosamente”, explica.

Jung já dizia que a nossa personalidade é uma piscina cheia de bolas, aquelas que são as nossas qualidades e as que são os nossos defeitos. E nós vivemos tentando sufocar, ou seja, afogar as que não gostamos, tentando esconder dos outros, tentando parecer sempre bons, estáveis, corretos. Mas o que acontece com uma bola quando você tenta afundá-la na água? Já tentou? Quando ela escapa, e uma hora ela vai escapar, ela explode, literalmente, ela sobe acima da água e chama muita atenção. “Eu vejo essa analogia muito como a gente fugindo da sombra, do que chamamos de lado negro da força: se a gente tenta sufocar isso, se torna maior, mais cedo ou mais tarde”, enfatiza a atleta.

Para Fernanda, existe uma solução possível: “o que Jung diz é que temos que nadar com todas as bolas, ir levando, trabalhando, se conhecendo. E eu acredito que esse realmente seja o melhor caminho. Não acho que a gente precise achar lindo ser ansioso, estressado, endeusar nossos medos. Mas temos que entender que eles fazem parte de nós e só aí é que podemos começar a tentar modificar esse lado. Se formos pensar no lado oposto, enaltecer qualidade acaba resultando em vaidade, ou seja, sombra, certo? Equilíbrio, gente, é sempre a chave de tudo”.

Para ela, a essência da vida é sempre o aprendizado e isso pode ser traduzido para o mundo dos boxes, também: “no caso de saúde e performance, tem uma importância enorme reconhecer seu lado frágil, infeliz, que se ressente, que se deprime, ou seja, que não é tão positivo para a saúde emocional e física. Muitas doenças, incluindo transtornos, ocorrem exatamente porque negligenciamos esse nosso lado, fingindo estar sempre tudo bem. Ninguém está pleno e feliz o tempo todo”.

Para se desenvolver melhor como seres humanos, precisamos descobrir quais são as pedras no caminho, quais são os nossos limites, como vamos lidar com isso. É puro autoconhecimento, mas requer tempo, prática e dedicação. Infelizmente, nem todo mundo quer seguir esse caminho. “E é igual para a performance: quando ignoramos a extrema passividade, ou a extrema agressividade, ou a falta de disciplina, isso vai influenciar diretamente nos resultados. Quando a gente tem a medida, consegue se planejar para ir mais fundo onde precisar e pegar leve em outros aspectos”, lembra a atleta.

No trato com o outro, no âmbito social, ter essa consciência de que o lado negro existe é fundamental, explica Fernanda, que também é professora de inglês e convive com diferentes realidades todos os dias: “o outro também tem suas sombras, assim como nós. E é preciso respeitar isso, separar o que não é nosso para não deixar que tudo nos afete negativamente. Estamos o tempo todo vibrando, julgando, absorvendo. Sem consciência, não temos como nos proteger, nem como ajudar. Percebem como isso pode ser prejudicial para nossas relações, também? Aceitar a imperfeição é o primeiro passo para ser mais feliz. Querer atingir uma perfeição que não existe pode ser a maior perda de tempo e energia”, finaliza ela.

Sobre Fernanda Surian

Professora de inglês desde 2008, Fernanda já coordenou professores, deu aula fora do Brasil e agora oferece um curso próprio com foco em inglês instrumental. Formada em nutrição, Fernanda foi se especializar no inglês cursando tradução e legendagem. É certificada por Cambridge e pelo CELTA. Em 2014, Fernanda se apaixonou pelo mundo do Crossfit e começou uma carreira de atleta de alta performance. Desde 2016, Fernanda uniu os dois mundos e hoje compartilha em seu blog informações preciosas sobre técnica, treino e autoconhecimento e oferece cursos com foco nesse universo do esporte, para ajudar coaches e alunos a melhorarem seu desempenho.

Mais informações

Fernanda Surian |  www.fernandasurian.com| fernanda@fernandaidiomas.com.br

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar