Saúde e Qualidade de Vida

Novo método no pilates ajuda em tratamento de escoliose

A escoliose é um desvio na coluna vertebral, podendo ter diferentes classificações dependendo da pessoa. Apesar de não ser uma constante, o problema pode causar dores e incômodos referentes a comorbidades relacionadas ao grau do desvio. Ela pode ser tratada com métodos clássicos, mas também com a colaboração de um novo método no pilates.

De acordo com a fisioterapeuta Sueli Dantas Rodigues, do Studio Pilates Patricia Bueno, o novo procedimento promete uma evolução maior na melhora do paciente, porque trata do corpo de forma total. O método auxilia na correção do grau de escoliose por meio de exercícios associados a autocorreção ativa.

Nestes, o aluno realiza a mobilização da curva primária, corrigindo as assimetrias da cintura pélvica ou escapular. Isto é possível porque na autocorreção o paciente é ensinado a realizar o ajuste do desvio com movimentos tridimensionais, os quais permitem a melhora nos três eixos.

Pilates

“Este método tem o objetivo de estimular muscularmente a curva primária e posteriormente a curva secundária simultaneamente. Além disso, ele desenvolve a consciência corporal, buscando correção ativa e manutenção dessa consciência nas atividades da vida diária”, explica Sueli.
Ainda, o tratamento colabora para a estética da coluna com o desvio, tornando-o mais alinhado e simétrico. Melhora o quadro de dor, estabilização e diminuição do grau da escoliose.

Vale ressaltar que os métodos clássicos para tratar os desvios ainda são utilizados e devem ser respeitados. Isto envolve o RPG, natação, associação de técnicas como séries de willians, Mackenzie e método klap.

 “É válido enfatizar que independente da técnica utilizada, deve ser realizada uma avaliação para melhor conhecimento da condição do aluno, e desta forma buscar condutas de tratamento eficazes. Conhecer as indicações e contraindicações é fundamental na melhora da escoliose, por isto é importante o constante aperfeiçoamento e reciclagem sobre o assunto”, finaliza a fisioterapeuta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *