A mudança

* Por Nilda Dalcól - Bem Vivida

Quando me mudei para o apartamento novo, acreditei que ali ficaria até a “passagem”… Ledo engano!

Em uma ensolarada manhã, fui surpreendida por uma “interferência externa” de que não poderia permanecer no que eu considerava o meu refúgio, por que já não havia mais com quem compartilhá-lo e, sem entender nada, vi toda a minha vida passar por mim como uma enxurrada, levando consigo tudo o que eu tinha construído.

Não bastasse ficar sem as protetoras “quatro paredes”, também fiquei sem chão… Por quê? Como?

Uma lacônica resposta, e foi o “fim”.

Até acordar e recomeçar, andando às cegas, pisando em cacos de vidro, mancando, tropeçando, caindo e levantando, estou conseguindo me reorganizar.

O esforço e o trabalho são morosos, quase apáticos, mas sei que preciso continuar… E isto só depende de mim.

Agora, às voltas com cenários nunca antes imaginados, sei exatamente o que quero… E será do meu jeito !!!

E, se eu estou conseguindo, muitos também conseguirão.

O importante é não desistir, prosseguir e lutar contra o desalento, que vez ou outra, se abate sobre mim, mas que com determinação e coragem, reunidas num só pensamento, me coloco em pé… De novo!

E então, quando tudo estiver no lugar e o meu coração em paz, na tranquilidade das minhas protetoras “quatro paredes”, finalmente poderei esperar a minha “passagem”, a qual espero, me seja leve…

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar