Vícios podem ser passados de geração em geração? Especialista explica

Pesquisa com cientista e pesquisador brasileiro em conjunto com cientista canadense concluem os genes do vício

A genética pode interferir na suscetibilidade aos vícios? De acordo com o neurocientista, PhD, Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela , o médico psiquiatra Dr. Francis Silveira e o cientista e biólogo canadense, o PhD Prof. Dr. Henry Oh, em um recente estudo publicado na revista científica Cognitions, sim, é possível. Segundo o estudo, “evidências de estudos de família, adoção e gêmeos convergem sobre a relevância dos fatores genéticos no desenvolvimento de vícios, incluindo SUDs e jogos de azar”.
No artigo, os autores explicam que um gene pode contribuir para a vulnerabilidade ao vício de várias maneiras.

“Uma proteína mutante (ou níveis alterados de uma proteína normal) pode alterar a estrutura ou o funcionamento de circuitos cerebrais específicos durante o desenvolvimento ou na idade adulta. Esses circuitos cerebrais alterados podem alterar a capacidade de resposta do indivíduo à exposição inicial à droga ou às adaptações que ocorrem no cérebro após a exposição repetida à droga”.

A pesquisa também mostra que, da mesma forma que a genética pode influenciar, os estímulos ambientais podem afetar a vulnerabilidade ao vício, influenciando esses mesmos circuitos neurais.

“Talvez combinar abordagens genéticas com fenótipos definidos de forma mais restrita facilitaria a identificação de genes de vulnerabilidade ao vício”.

A genética e os vícios

Segundo o estudo, os vícios podem ser considerados como um conjunto diversificado de doenças comuns e complexas que estão, até certo ponto, ligadas por fatores etiológicos genéticos e ambientais compartilhados.

“Frequentemente são crônicos, com curso recidivante e remitente. O vício também pode ser considerado com um dos transtornos psiquiátricos recorrentes crônicos, caracterizados pelo uso compulsivo e descontrolado de uma droga ou atividade, com resultados desadaptativos e destrutivos. Embora o uso de agentes aditivos seja voluntário, o vício leva à perda do controle”.

No que se diz respeito ao uso de psicopáticos, a motivação para o comportamento de busca de drogas é inicialmente impulsionada pela impulsividade e recompensa positiva. No entanto, quando o diagnóstico é feito, uma mudança neuroadaptativa potencialmente irreversível ocorreu – mudanças que eram evitáveis em um ponto inicial da trajetória da doença, explica a pesquisa.

“A identificação de genes que são centrais para a resposta a drogas e neuroadaptação também está sendo alcançada por meio de estudos em modelos animais de vertebrados e invertebrados de circuitos neuroanatômicos e redes moleculares celulares que são cruciais nos vícios”.

Herança de vícios

Os autores explicam que as estimativas de herdabilidade são geralmente mais altas para dependência do que para uso de substâncias; no entanto, “nenhum uso de drogas patológicas” e “início do uso” também são hereditários, indicando que as influências genéticas também desempenham um papel na iniciação.

“As influências genéticas e ambientais que modulam o risco de SUDs mudam no desenvolvimento e ao longo da vida. Uma possível explicação para isso é que à medida que amadurecem, as pessoas têm cada vez mais latitude para moldar suas escolhas e ambientes sociais, aumentando assim a importância relativa do genótipo. Outra explicação é que alguns fatores genéticos são importantes apenas após a exposição repetitiva a agentes aditivos”.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar