45% dos heterossexuais já pensaram em ter um relacionamento homossexual

18% dos usuários heterossexuais do Gleeden dizem ter tido um relacionamento homossexual e 70% acham que, se não houvesse condições morais, culturais ou religiosas, todos poderiam ser bissexuais

A bissexualidade é uma tendência indiscutivelmente crescente hoje. A sociedade, com seu ritmo rápido e adaptativo, está se modificando, flexibilizando e ampliando seus comportamentos sexuais: a “mente aberta” permite explorar terrenos antes desconhecidos e agora atraentes; surgem novas necessidades e oportunidades que as pessoas, por curiosidade e interesse, ousam cobrir. O Gleeden, aplicativo de encontros extraconjugais desenhado por e para mulheres, lançou um novo estudo* para conhecer em primeira mão a opinião e as práticas de seus usuários sobre este aspecto.

Os resultados foram definitivos: mais de 45% dos participantes heterossexuais dizem que já pensaram em ter um relacionamento homossexual, mas apenas 18% deles colocaram em prática – até agora. Por outro lado, 20% dos participantes heterossexuais afirmam ter feito sexo com uma pessoa do mesmo sexo. Apesar disso, apenas cerca de 10% das pessoas inscritas no Gleeden se declaram bissexuais, e apenas 1% se declara homossexual.

“Há vários motivos que explicam a tendência ascendente da bissexualidade”, diz Laia Cadens, psicóloga clínica especializada em sexologia e conselheira do Gleeden, “um deles se deve à identificação da própria sexualidade e, o outro, por curiosidade e necessidade de experiências de sexos mais diversos. É aí que os aspectos socioculturais têm muito a ver: 70% dos pesquisados ​​afirmam que, se não houvesse condições morais, culturais ou religiosas, todas as pessoas poderiam ser bissexuais. De fato, 96% das pessoas que participaram do estudo concordam com a bissexualidade e não a condenam.

Se somarmos a tudo isso a ascensão do conteúdo audiovisual, cujo eixo principal é a abertura sexual, e que é consumido desde a adolescência, nos encontramos diante de uma realidade onde a bissexualidade é visualizada de forma expansiva.

“Embora seja verdade que esse aumento exponencial da orientação bissexual ocorra em maior proporção entre os jovens entre 14 e 25 anos, cada vez mais mulheres adultas estão expressando uma mudança em suas necessidades e ampliando seu alcance em direção à diversidade”, disse ele. explica Correntes. De fato, “as mulheres, muitas por insatisfação ou tédio, viram novas oportunidades se abrirem para elas satisfazerem suas necessidades sexuais”. E podem fazê-lo discretamente, com contatos seguros através de plataformas como Gleeden, ou também experimentando com outras mulheres para se abrirem a novas sensações e experiências.

Uma orientação mais feminina do que masculina

 “Parece ser uma orientação escolhida mais pelas mulheres do que pelos homens: nelas, por curiosidade e conexão emocional, e atração física por outras mulheres e, no caso masculino, como prévia ao teste homossexual, por dúvidas de orientação “, diz ele. Correntes.

“É comum homens com dúvidas sobre a homossexualidade passarem por um estágio anterior de bissexualidade, muitos deles afirmam que a ideia de fazer sexo com homens está na cabeça deles e fantasiam com isso, mas do pensar à execução há uma processo.” Cadens conclui que “isso poderia explicar por que a bissexualidade ocorre mais em mulheres do que em homens, não em proporção muito maior, mas um pouco mais significativa, sim”.

* Pesquisa online realizada entre 9.753 usuários do Gleeden.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar

Conteúdo Adulto

O conteúdo a seguir é destinado ao público adulto.

Ao escolher sim você está declarando ser maior de 18 anos.