5 dicas para a segurança do idoso nas férias

Terapeuta ocupacional traz alerta sobre controle de medicamentos, risco de quedas e contaminação com a covid

A família sai de férias e o idoso passa mais tempo sozinho. Como evitar quedas, confusões na administração dos remédios e estimular o autocuidado nesse período?

A terapeuta ocupacional Syomara Smidziuk, que tem experiência de mais de 30 anos com esse público e suas necessidades, explica que, às vezes, bastam algumas orientações para melhorar a qualidade de vida na terceira idade. Veja o que não pode faltar:

  • Faça um check-list dos perigos dentro de casa

De acordo com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, 40% dos idosos com mais de 80 anos cai uma vez por ano, com consequências que podem levar até à morte. Além disso, cerca de 5% dos maiores de 65 anos que enfrentam uma queda sofrem fraturas ou precisam de internação. “Os ferimentos ou queimaduras em casa podem ser evitados ao eliminar itens como tapetes deslizantes, descansos de porta que impeçam o caminhar livre, objetos que possam cair ou molhar o chão da cozinha e do banheiro e, até mesmo, o acesso de animais de estimação à cozinha durante o preparo de alimentos”, alerta a profissional.

  • Estimule uma rotina de exercícios

Alguns dos motivos que levam às quedas mais frequentes entre idosos são a fraqueza da musculatura, a perda de sensibilidade neurológica e a diminuição da visão ou audição. “Entre esses, a perda de massa óssea dificulta a recuperação em caso de fratura, mas pode ser contida por meio de exercícios rotineiros”, explica Syomara. A manutenção dos movimentos é um dos objetivos da terapia ocupacional, que, durante as sessões, busca adequar as atividades de vida diária do idoso.

  • Cuidados com a covid

Por mais que a pandemia esteja completando dois anos, nunca é demais explicar a necessidade de cuidados aos mais velhos, como a lavagem frequente das mãos, o uso de máscara ao receber pessoas na porta e evitar aglomerações.

  • Ajude a organizar os remédios

A pessoa idosa, com frequência, tem um cronograma de medicações, e é crucial que ele seja seguido sem falhas, devido ao perigo de overdoses ou troca de remédios. “Pode parecer simples, mas sempre recomendo anotar os medicamentos a serem tomados, e os horários e dosagens num local bem visível, como a geladeira”, ensina a terapeuta. Outra sugestão é usar um porta- remédios, que são caixinhas onde é possível anotar os horários para facilitar. “O cuidador do idoso pode fazer essa gestão, mas é importante que ensine a pessoa a se cuidar também.”

  • Incentive o uso da agenda

Outra dica que soa banal, mas ajuda muito, é o controle do tempo de forma física – por meio de calendários e agendas. “O idoso precisa se situar no dia da semana e do mês, o que ajuda a manter o estímulo do cérebro e do corpo todo”, diz a terapeuta.

Por fim, é bom lembrar que a presença constante demonstra cuidado com o idoso, e é preciso exercer a paciência com essas pessoas que nos deram a vida. Além disso, o cuidador da pessoa mais velha precisa se cuidar também, tanto física quanto emocionalmente, para poder auxiliar os outros ao seu redor.

 

* Syomara Cristina Szmidziuk atua há 31 anos como terapeuta ocupacional, e tem experiência no tratamento e reabilitação dos membros superiores em pacientes neuromotores. Faz atendimentos em consultório particular e em domicílio para bebês, terapia infantil e juvenil, para adultos e terceira idade. Desenvolve trabalho com os métodos RTA e terapia da mão, e possui treinamento em contenção induzida, Perfetti (introdutório), Imagética Motora (básico), Bobath e Baby Course (Bobath avançado), entre outros.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar