Número de prematuros aumenta no Brasil e alerta para importância da intervenção precoce

Média de prematuridade no país atingiu 11,1% em 2020 e aumento pode estar ligado ao covid-19

O movimento “Novembro Roxo” tem como objetivo conscientizar e educar a população sobre a prematuridade e suas consequências para o desenvolvimento dos bebês que nascem antes do tempo.

Esse ano, a data é ainda mais importante frente ao aumento de partos prematuros, causados, principalmente, pela infecção das gestantes pelo covid-19.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a prematuridade é classificada de acordo com a idade gestacional. Bebês prematuros são aqueles que nascem antes das 37 semanas de gestação.

Risco de atrasos no desenvolvimento

De acordo com a fisioterapeuta Walkíria Brunetti, com mais de 30 anos de atuação na fisioterapia neurológica voltada para prematuros, os bebês pré-termo têm maior predisposição para apresentar atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor.

“Uma das principais preocupações é que o parto prematuro interrompe as fases de desenvolvimento e crescimento cerebral, que ocorrem simultaneamente a outros processos durante a gravidez”.

“Por isso, o cérebro de um prematuro tem mais probabilidade de apresentar anormalidades anatômicas que podem interferir no desenvolvimento psicomotor, bem como na cognição e até no comportamento”, diz Walkíria.

Tempo de internação

Outro fator que pode levar a déficit no desenvolvimento motor é o tempo de internação. “Lamentavelmente, no período de internação os bebês dormem bastante e muitos são privados do contato com a mãe. Esses dois aspectos comprometem e restringem os movimentos espontâneos do bebê, essenciais para o desenvolvimento neuropsicomotor”, explica a especialista.

Repercussões indiretas

Graças aos avanços da medicina neonatal e da neurologia, houve um aumento significativo nas taxas de sobrevivência, mesmo dos prematuros extremos. Por outro lado, as repercussões da prematuridade podem comprometer o desenvolvimento da criança.

“Dessa forma, todo prematuro precisa ser acompanhado de perto por uma equipe multidisciplinar para identificar o quanto antes déficits no desenvolvimento de forma global”, reforça Walkíria.

Intervenção precoce é fundamental

A intervenção precoce faz toda a diferença para que o bebê prematuro possa se desenvolver de forma plena. “Por isso, a recomendação é que os pais procurem especialistas para uma avaliação assim que o bebê tiver alta médica, aponta a especialista.

“Desde o nascimento até por volta dos 2 anos de idade, o cérebro tem uma capacidade imensa de criar conexões neurais, a chamada neuroplasticidade. Por isso, as intervenções precoces devem ser realizadas nessa “janela de oportunidade” para atingir um resultado mais satisfatório, explica Walkíria.

“Precisamos levar em consideração o desenvolvimento global. Muitos prematuros apresentam problemas no processamento sensorial, nos sistemas vestibular, proprioceptivo e tátil. Isso pode levar a problemas no controle postural e na coordenação dos movimentos, o que impacta no desenvolvimento motor”, comenta.

Estima-se que o comprometimento do processamento sensorial atinge de 39 a 52% dos bebês prematuros. Os que nascem antes da 32ª semana gestacional são mais vulneráveis a essa condição.

Estímulos multissensoriais

“É muito importante que os pais procurem por clínicas e profissionais com experiência na área de neurologia e fisioterapia neurológica. Além disso, o tratamento precisa levar em consideração as necessidades individuais, pois os bebês são diferentes uns dos outros”

Por fim, os pais e cuidadores também precisam proporcionar estímulos em casa, como uma continuidade das terapias realizadas pela equipe multidisciplinar. “Quanto mais o bebê receber esses estímulos, maior a chance de proporcionar um desenvolvimento saudável e pleno”, reforça Walkíria.

Por outro lado, a especialista diz que há bebês que receberam muitos estímulos durante a internação. “Todo o ambiente de uma UTI traz um excesso de estímulos, como luzes, sons, intervenções médicas, exames, colocação de acessos, entubamento e demais procedimentos hospitalares”.

Nesses casos, a recomendação é reduzir os estímulos para que o bebê possa se desenvolver de forma saudável. “Por fim, o mais importante é que cada prematuro seja avaliado de forma individualizada para que a intervenção precoce seja efetiva para promover um desenvolvimento saudável”, finaliza Walkíria.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar