Linhas de cuidado para obesidade serão ensinadas em live do Painel Brasileiro de Obesidade

O Painel Brasileiro da Obesidade recebe Helen Hermsdorff para conversa sobre o acompanhamento efetivo de pessoas com obesidade em live que acontece nesta quinta-feira (2), às 11h pelo canal do Youtube da iniciativa. Agende, compartilhe e assista por aqui https://youtu.be/ZFVFiYVeBhU.

A palestrante é professora da Universidade Federal de Viçosa e Doutora em Alimentação e Saúde pela Universidade de Navarra (Espanha).

O que são linhas de cuidado no tratamento da obesidade?

É consenso dentro do campo da saúde que a obesidade se caracteriza por ser uma doença multifatorial e de tratamento complexo. As causas genéticas, nutricionais, ambientais, metabólicas e diversos outros fatores demandam um tratamento que agregue profissionais de diferentes áreas da saúde. “A assertividade e a longevidade de um tratamento contra a obesidade dependem da atuação de profissionais com diferentes repertórios: desde o médico, passando pelo nutricionista e chegando ao educador físico e ao psicólogo. Todos precisam atuar em consonância para um tratamento que resulte em melhora na qualidade de vida”, comenta Guilherme Nafalski, Coordenador da iniciativa (PBO) do Instituto Cordial.

Segundo a professora Hermsdorff, as linhas de cuidado representam uma forma mais completa e especializada de combate à obesidade, ao mesmo tempo que permite à pessoa com obesidade que entenda melhor os desafios de conviver com a doença:

“Como doença crônica, precisamos entender que o melhor tratamento se dá à longo prazo e a partir de estratégias humanizadas e sustentáveis. Não se resolve uma doença crônica com ações e decisões intensas, mas pouco duradouras”, comenta Helen.

Por que é importante se falar em linha de cuidado?

Apesar da pouca consistência de indicadores de hospitais públicos e privados, é comum que os tratamentos da obesidade sejam interrompidos antes do momento adequado ou que termine após uma precoce etapa de emagrecimento, não permitindo aos profissionais de saúde a completa avaliação do quadro apresentado. Segundo Helen, esse tipo de situação não só é comum, como alarmante: “O acompanhamento deve ser constante aos pacientes, mesmo que haja uma aguda perda de peso. Mesmo nos casos de cirurgia bariátrica, por exemplo, que costumam apresentar o maior potencial de emagrecimento em curto prazo, é muito comum vermos pacientes reganhando peso após cerca de 2 anos. Isso explicita a necessidade de acompanhamento duradouro”, comenta.

Sobre o Painel Brasileiro da Obesidade

O Painel Brasileiro da Obesidade é uma iniciativa realizada pelo Instituto Cordial em parceria com a World Obesity Federation, Abeso, ACT, Nebin/UERJ e LaVa/UERJ que tem como objetivo mapear e compreender os diversos fatores, perspectivas e dados relacionados à obesidade no Brasil, identificando e aproximando nichos e agendas atualmente segregadas que possam vir a atuar em sinergia para futuras estratégias e protocolos integrados. A iniciativa é patrocinada pela Novo Nordisk.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar