Médico aponta prós e contras dos implantes hormonais no organismo – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Médico aponta prós e contras dos implantes hormonais no organismo

Aldo Grisi aponta que o tratamento deve ser personalizado para cada necessidade

Ganhando cada vez mais destaque entre as mulheres, o implante hormonal surgiu na indústria como um contraceptivo, mas seus benefícios podem ser percebidos até mesmo na estética. Por conta disso, o dispositivo de uso subcutâneo também está sendo chamado de “chip da beleza”.

“É uma via mais recente de administração. São pellets, isto é, palitos introduzidos embaixo da pele que vão liberando hormônios em pequenas dosagens. Mas seu diferencial é que o paciente tem uma liberação de medicação gradual, contínua e prolongada”, aponta o médico Aldo Grisi.

O implante pode ser usado por homens e mulheres, de qualquer idade, a depender da necessidade clínica e laboratorial de cada um. No entanto, geralmente é recomendado para tratamentos ginecológicos.

“Podem ser usados para distúrbios menstruais como cólicas, TPM, sangramentos intensos e irregulares, miomas uterinos, endometriose. Além disso, com um controle da modulação dos hormônios, proporciona aumento de libido, com melhora do ressecamento vaginal, principalmente em mulheres pós-menopausa”, explica o profissional. Outros benefícios ligados à queima de gordura corporal também levaram a uma maior procura do implante nos últimos meses, segundo Aldo;

“De fato, o chip promove aumento de massa muscular, controle do peso, diminuição de celulite, mas o uso não pode ser apenas com foco na estética. Deve ser uma aplicação com responsabilidade”, afirma. Além disso, o chip pode trazer alguns efeitos colaterais.

“Como toda e qualquer medicação, os efeitos colaterais são reais. Mas estes efeitos não são do ‘implante hormonal’, e sim, de algumas substâncias e das doses que podem ser usadas”, destaca. “Ao usar altas doses de testosterona, por exemplo, pode haver acne, aumento de oleosidade, de pelo. Desta maneira, fazemos um tratamento personalizado, com doses específicas para reduzir o risco de essas reações surgirem.”

Segundo o profissional, os efeitos colaterais dependem do que será utilizado no implante e a dose aplicada. “Se não utilizarmos substâncias ‘androgênicas’ como testosterona, não haverá queda de cabelo. E caso haja alguns destes efeitos, temos mecanismos para revertê-los”, acrescenta.

O implante também apresenta algumas contraindicações. “Elas são relativas. Devemos observar se há sensibilidade à droga e sempre fazer avaliação médica. Mas existem alguns casos contraindicados, como pacientes que estão em tratamento oncológico. Históricos de trombose e câncer na família devem ser avaliados individualmente”, alerta.

“Cada indivíduo tem uma necessidade e um objetivo. Por isso, devemos individualizar cada tratamento para que tenhamos a maior chance de sucesso”, completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *