Manter terapias durante o isolamento social é fundamental para crianças com autismo – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Manter terapias durante o isolamento social é fundamental para crianças com autismo

Neste Dia Mundial de Conscientização do Autismo, o Pequeno Príncipe reforça a importância da continuidade do tratamento do transtorno durante a pandemia

Desde o início da pandemia, o cotidiano das crianças mudou completamente. As aulas passaram a ser on-line, e as brincadeiras em casa, sem os amigos por perto. Para quem tem autismo, essa mudança é sentida de maneira ainda mais intensa, e o cuidado com a rotina e com o tratamento dos pequenos que têm o transtorno é fundamental para manter o bem-estar durante o período de isolamento, que ainda não tem previsão de terminar.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que, em todo o mundo, uma em cada 160 crianças tenha autismo, e neste 2 de abril, Dia Mundial de Conscientização do Autismo, o Hospital Pequeno Príncipe, um dos centros de referência no tratamento multidisciplinar do transtorno, reforça a importância da adaptação do dia a dia em casa para manter a continuidade do tratamento de quem tem o transtorno. “A manutenção das terapias previne regressos do desenvolvimento e organiza melhor a vida do paciente e da família, especialmente em períodos de mudanças drásticas como as que têm acontecido durante a pandemia”, destaca o neuropediatra Anderson Nitsche, do Hospital Pequeno Príncipe. Mesmo durante o primeiro ano da pandemia, o Pequeno Príncipe realizou 418 atendimentos de crianças e adolescentes com o diagnóstico no Ambulatório de Transtornos de Desenvolvimento.

O autismo é um transtorno do desenvolvimento que surge logo nos primeiros anos de vida e é caracterizado pela dificuldade de as crianças se relacionarem e de se comunicarem. Elas possuem tendência a comportamentos repetitivos, como bater as mãos, pular sempre no mesmo lugar e andar na ponta dos pés, por exemplo. Outros sinais que podem indicar o autismo são o atraso da fala, o isolamento em relação a outras crianças, a vontade de brincar somente com um determinado brinquedo, o desejo de saber tudo sobre apenas um tema, e muita dificuldade de sair desses padrões.

O Ambulatório de Transtornos de Desenvolvimento do Pequeno Príncipe recebe crianças e adolescentes encaminhados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Nele, os pacientes passam por uma equipe de neurologistas que realizam diagnósticos de autismo, transtornos de aprendizagem, déficit de atenção e hiperatividade, transtornos ou deficiência mental, intelectual e múltipla, e orientam os responsáveis sobre todas as terapias e acompanhamento multidisciplinar conforme a necessidade de cada menino e menina.

Além da adaptação das terapias de forma on-line, o neuropediatra do Hospital ressalta que também é importante os pais usarem o máximo de tempo possível para interagir com a criança e observar seus sentimentos.

“Aproveitem para assistir a filmes juntos e tentar identificar emoções e comportamentos. Conversem, brinquem, sentem no chão. Tudo isso é absolutamente terapêutico e fundamental para o desenvolvimento”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *