Fase vermelha: hospitais têm dificuldade de encontrar mão de obra qualificada para atender UTI – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Fase vermelha: hospitais têm dificuldade de encontrar mão de obra qualificada para atender UTI

Especialista da Luandre, uma das maiores consultorias de RH do país, diz que profissionais de saúde com experiência estão escassos

A falta de leitos pela alta demanda de pacientes infectados com o vírus da Covid-19 não é o único dentre os problemas preocupantes neste momento de pandemia.

Hospitais e instituições de saúde espalhadas por todo o Brasil também lidam com um novo obstáculo: a busca por profissionais de saúde qualificados para atuar nas UTIs.

Durante o atual período de fase vermelha – que acometeu diversas regiões do Brasil – a equipe da Luandre, uma das maiores consultorias de RH do país, especialista no setor de saúde, teve um aumento de 145,7% em vagas de saúde em relação ao mesmo período de 2020.

Embora a área siga contratando profissionais, o foco atual está na busca de mão de obra qualificada para atuar em UTIs, resultando em uma demanda superior de vagas em relação aos profissionais aptos para atuar.

“Para amenizar essa questão, houve uma diminuição da rigidez nos processos de seleção. As provas técnicas, em que antes o crivo era 8, por exemplo, têm um crivo de nota 6 hoje, justamente porque faltam profissionais de saúde”, afirma Gabriela Mative, Superintendente de RH da Luandre.

Segundo um levantamento do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), realizado em maio de 2020, o déficit de enfermeiros e técnicos de enfermagem especializados em UTI, durante o período inicial da pandemia, já estava em torno de 17 mil em todo o país.

Para alguns hospitais, a alternativa encontrada, durante a pandemia, foi a de efetivar os temporários e submetê-los a um treinamento para qualificação – “o investimento na efetivação faz com que esses profissionais passem por um programa de integração intensiva da equipe e se tornem aptos a exercer um trabalho na UTI de forma mais preparada para lidar com os desafios do dia a dia”, afirma Gabriela.

Jornada dupla e cansaço extremo

A falta de profissionais de saúde afeta também a rotina dos já empregados. Segundo Gabriela, a carência de mão de obra faz com que os colaboradores aumentem sua jornada de trabalho, chegando a dobrar turnos.

“Por eventualmente já terem outro emprego, alguns deles passaram a trabalhar em duplas jornadas. Isso explica o nível de cansaço e stress aos quais são acometidos”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *