Ostomia: cuidados especiais e combate ao preconceito – Afina Menina

Ostomia: cuidados especiais e combate ao preconceito

O dia 16 de novembro é também o Dia Nacional dos Ostomizados, data que visa a conscientização da população brasileira sobre o conhecimento, entendimento e combate ao preconceito à pessoa ostomizada. De acordo com a Associação Brasileira de Ostomizados, estima-se que, no Brasil, existam 400 mil pessoas com algum tipo de ostomia.

Pessoas ostomizadas são aquelas que apresentam algum tipo de ostomia, ou estoma, termos que têm o mesmo significado. “As ostomias são procedimentos de desconexão de alguma parte do aparelho digestivo, urinário, ou respiratório, e uma derivação através da pele. Geralmente esse procedimento é feito em pessoas portadoras de algum câncer ou que sofreram algum tipo lesão. No caso do sistema digestivo ou urinário, o procedimento possibilita a eliminação das fezes ou urina com a necessidade de utilização de bolsas coletoras fixadas na pele. No caso das ostomias respiratórias, como a traqueostomia, a função é possibilitar a respiração. As ostomias podem ser temporárias ou definitivas, dependendo do tipo de tratamento realizado”, afirma o Dr. Marciano Anghinoni, cirurgião oncológico do Hospital São Vicente – CRM 16867 e RQE 13688.

Veja mais  Como encontrar propósitos em meio à crise?

A presença de qualquer tipo de ostomia acarreta a necessidade de cuidados especiais, pelo próprio paciente e, muitas vezes, de familiares e equipe de saúde.

O portador de uma ostomia muitas vezes sofre com o preconceito, devido ao fato de que o paciente deve ter cuidados especiais e algumas limitações, mas nada impede que ele mantenha uma vida normal ou próxima ao normal.

As pessoas com ostomias permanentes apresentam dificuldades e limitações relativas às atividades da vida diária, incluindo relações conjugais e sociais. O principal desafio é a própria aceitação da pessoa que foi submetida ao procedimento, que deve entender as dificuldades e aceitar a sua nova condição de vida.

Veja mais  Pesquisa revela impacto da pandemia na vida de pessoas com diabetes

“É importante conscientizar as pessoas que convivem com ostomizados, no sentido de proporcionar uma relação saudável e humanizada, combatendo   o preconceito. O suporte psicológico é também muito importante na fase inicial de adaptação à nova condição de vida”, complementa o médico.

Portanto, oferecer bons cuidados, com suporte familiar e profissional, é fundamental para proporcionar a essas pessoas o melhor convívio social e a melhor qualidade de vida possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *