Traumas vivenciados podem gerar acúmulo de gordura corporal – Afina Menina

Traumas vivenciados podem gerar acúmulo de gordura corporal

A anatomia emocional pode ajudar

A Anatomia Emocional é caracterizada pela relação entre o formato corporal que um indivíduo possui e sua história de vida. Muitos ainda acreditam que este formato é determinado pela genética, contudo, a partir de estudos aprofundados é possível perceber que as situações vividas impactam diretamente o delinear de um indivíduo.

Hoje, com a Anatomia Emocional, já se entende que as características de cada um partem da sua história, da sua forma de enxergar a vida e suas questões diárias. Padrões físicos familiares podem ser muito associados a padrões comportamentais familiares, em relação aos valores, princípios, crenças e comportamentos, sendo assim, uma mesma forma de enxergar a vida, acaba desenhando um mesmo formato corporal.

A Facilitadora de ConsCiência, Bianca Drabovski, apresenta “A gordura, por exemplo, pode ser analisada num contexto de tecido de proteção, tanto para agressões físicas ou psicológicas. Sentir-se desvalorizado aos olhos dos outros, faz com que a gordura se acumule no corpo. A parte do corpo aonde esse acúmulo ocorre me diz aonde aconteceu o trauma, ou o contexto do conflito que a pessoa viveu”.

Veja mais  5 passos essenciais para seu filho comer melhor

Quando o indivíduo possui o acúmulo no braço, podemos investigar situações vividas num contexto de proteger a região dos braços, como por exemplo beliscões, tapas e apertões na região onde se localiza a gordura.

O acúmulo de gordura no abdômen pode indicar questões relacionadas ao “ninho”, pois o abdômen é nosso primeiro “ninho”. Isso pode trazer a informação de dificuldades de relacionamentos dentro do lar.

Estes são alguns exemplos, contudo não há uma “receita de bolo”. Na Anatomia Emocional o indivíduo é visto de maneira integral, onde todas as partes do corpo se relacionam, onde a gordura abdominal pode ter relação com uma hipercifose e com uma questão de fígado.

Veja mais  Aleitamento exclusivo é desafio para 60% das mães

Para que estes truamas sejam resolvidos a própria Anatomia Emocional utiliza-se de recursos como posicionamentos corporais, e também exercícios para auxiliar nesta reprogramação do corpo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *