Busca pelo termo ansiedade dispara na internet durante a pandemia – Afina Menina

Busca pelo termo ansiedade dispara na internet durante a pandemia

Psiquiatra Vinicius Guapo explica como manter o equilíbrio emocional no período

O isolamento social, a crise econômica, o desemprego e o medo da contaminação pelo novo coronavírus trouxeram impactos à saúde mental de muitas pessoas, aumentando o risco de ocorrência de transtornos de ansiedade. Em 2020, os brasileiros procuraram na internet sobre o tema três vezes mais do que a média dos últimos 16 anos, segundo o Google, principal ferramenta de busca. Quando comparado ao semestre anterior, a pesquisa por respostas para a pergunta “como é ter crise de ansiedade” teve uma alta superior a 5.000% entre janeiro e julho.

Já segundo levantamento feito pela empresa de pesquisas Ipsos, 41% dos brasileiros declararam sentir ansiedade, de acordo com sondagem dentro do contexto da pandemia.

O psiquiatra Vinicius Guapo – um dos idealizadores do PQU Podcast – iniciativa voltada aos psiquiatras em formação – explica que no atual período, o sentimento de angústia é compreensível e, embora não signifique necessariamente a presença de uma doença psiquiátrica, é um sinal de alerta. “A ansiedade é um sentimento comum ao ser humano. Desde a infância nos sentimos ansiosos por algo que está por vir e assim é em outras fases da vida, como quando vamos fazer uma viagem ou uma entrevista de emprego, por exemplo, mas quando a ansiedade é acompanhada de outros sintomas e, principalmente, quando os mecanismos de controle deixam de funcionar, transforma-se em problema”, fala o especialista.

Veja mais  Advogado explica quais os golpes mais comuns em tempos de pandemia

Entre os sintomas de uma crise de ansiedade estão falta de ar, palpitações, dor de cabeça, suor excessivo, boca seca, dores musculares ou tremores e tontura. “O nosso equilíbrio emocional e sua relação com o funcionamento corporal é dinâmico e atentar-se a estes sinais é importante para buscar ajuda profissional”, salienta.

Algumas ações podem contribuir para o equilíbrio emocional e mental. Guapo ressalta que é importante manter uma rotina. “Procure estabelecer horários fixos para dormir, acordar, alimentar-se, descansar, fazer exercícios físicos e outras atividades que você queira incluir no seu dia a dia”, fala. “Valorize o que te dá prazer e traga sentido para o seu dia a dia, como ouvir música, dançar, fazer algum trabalho artesanal, cozinhar e meditar, por exemplo. Mantenha contato com as pessoas queridas, por mensagens, telefonemas ou videochamadas. Isso também ajuda a promover a sensação de proximidade, mesmo que as pessoas estejam fisicamente afastadas”, completa.

Veja mais  Como a queda da taxa de juros Selic impacta nossas vidas?

E para quem convive com alguém que esteja enfrentando crises de ansiedade, Guapo explica como ajudar. “Demonstre empatia, dê atenção, mostre que aquela pessoa não está só, isso é muito importante”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *