Você sabia que algumas vacinas são essenciais para pacientes com doenças do coração?

O coração é considerado o símbolo do amor. Não existem registros históricos, mas há mais de três mil anos esta simbologia nascia com a cultura judaica. Segundo historiadores, os hebreus associavam alguns sentimentos ao órgão, possivelmente pelas reações associadas a euforia, susto ou ansiedade. Porém, os povos antigos não conheciam o papel do coração na circulação, descoberto no século XVII pelo médico inglês William Harvey.

Dessa relação também surgiram as doenças. De acordo com dados do Ministério da Saúde, 31,5% dos óbitos no Brasil são provocados por doenças cardiovasculares (DCVs), tornando-se esta a primeira causa de morte entre a população brasileira. Estas anomalias podem ser divididas em um grupo de distúrbios do coração e vasos sanguíneos que incluem doença cardíaca coronária, cerebrovascular, arterial periférica, cardíaca reumática, além da cardiopatia congênita, trombose venosa profunda e embolia pulmonar.

Os sintomas podem variar de acordo com o tipo de problema e o quanto a função cardíaca que está comprometida. Segundo o médico especialista em cardiologia cooperado da Unimed Curitiba, Miguel Morita, a cardiopatia é mais fácil de ser tratada quando detectada precocemente. Vale lembrar que muitas formas de doenças cardíacas podem ser prevenidas com a adoção de um estilo de vida mais saudável.

Porém, pacientes já diagnosticados com alguma doença cardíaca, precisam de cuidados especiais para evitar complicações que podem levar à morte. Nesta semana o Calendário de Vacinação de Pacientes Especiais, da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), ganhou uma versão atualizada para 2019 e 2020. A mudança busca prevenir agravamento dos quadros dos pacientes, que possuem um risco aumentado de morrer, por exemplo, de uma pneumonia.

O fim do inverno está próximo, mas é importante salientar que estas doenças podem acontecer a qualquer época do ano. O médico infectologista, Jaime Rocha, diretor de Prevenção e Promoção à Saúde da Unimed Curitiba e responsável pela Unimed Laboratório, destaca que, de acordo com informações do AHA Journals, a insuficiência cardíaca afeta mais milhões de pessoas em todo o mundo, evidenciando a necessidade de esforços contínuos para melhorar o gerenciamento e o tratamento da insuficiência cardíaca. “Uma infecção por influenza é algo extremamente sério para pacientes com insuficiência cardíaca. Daí a importância da vacinação”.

Ainda de acordo com Rocha, a própria Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda a vacinação para pacientes cardiopatas, mas a adesão ainda é baixa.  Entre as vacinas recomendadas, a Influenza, Herpes zoster, BCG, Hepatite A e B, Meningocócicas conjugadas, HPV e Dengue.

Por fim, Morita reforça que a pneumonia e gripe descompensam o paciente cardiopata, causando e/ou agravando arritmias, infartos e insuficiência cardíaca. “O mais grave é que os cardiopatas morrem de doenças respiratórias imunopreveníveis, ou sejam, que poderiam ser evitados com a vacinação correta”.

Agora que você já sabe, que tal cuidar da saúde – e do coração? Mais informações sobre vacinas também podem ser obtidas no site da Unimed Laboratório.