Nutricionistas alertam: fazer dieta está te engordando

A equação sempre pareceu óbvia quando a questão era perder peso: mais gasto calórico e menos calorias consumidas – duh! Bom… não é bem assim. Estudos reunidos no best-seller O Peso das Dietas (Editora Senses), da nutricionista franco-brasileira Sophie Deram, mostram que 95% das pessoas voltam a engordar depois de uma restrição alimentar. comida saudável E se você ainda cogita pertencer à minoria, saiba que os outros 5% desenvolvem transtornos alimentares. “Para conseguir ser magra, já fiz de tudo. Tomei remédios, fiquei dois anos sem comer carboidratos e fiz três lipoaspirações. Nada resolveu. Era uma obsessão”, conta a jornalista Daiana Garbin, autora do livro Fazendo as Pazes com o Corpo (Editora Sextante) A história dela é a mesma de muita gente, afinal não existe cardápio milagroso que seque em uma semana e é absolutamente normal fracassar com tantas privações. Então, qual o caminho ideal para viver em paz com ele? Dar atenção ao que o corpo pede – sim, mesmo quando ele quiser um chocolate ou preferir pão em vez do suco detox no café da manhã. “Comer bem não tem a ver com determinação. Separar os alimentos entre os que engordam e emagrecem só gera frustração. Isso é comer transtornado”, explica a nutri Sophie.

NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL

O foco da nutrição sempre foi o que as pessoas comem, mas uma nova abordagem surge para dar atenção ao porquê e como elas comem. São técnicas de nutrição e psicologia que entendem os aspectos fisiológicos e emocionais da alimentação. “As propostas tradicionais só focam na perda de peso, mas peso não é um comportamento. Mudar o comportamento é comer devagar, estar aberta a novos alimentos e ter outra relação com a comida. Quando eu simplesmente sigo uma dieta restritiva, o corpo diz uma coisa, mas as regras da dieta dizem outra”, explica Marle Alvarenga, pós-doutora em nutrição formada pela USP e idealizadora no Instituto Nutrição Comportamental. Um dos exercícios sugeridos é fazer um diário alimentar, com refeições e sentimentos, e responder à pergunta: o que é comida para você? “Algumas pessoas dizem que é sofrimento, mas algo que tem que ser feito pelo resto da vida não pode ter essa associação. A fome é fisiológica. É a mesma coisa que passar o dia sentindo culpa por fazer xixi”, diz a nutricionista. Joana Cannabrava, do blog Futilidades e nossa colunista online, sabe bem o que é isso! “Minha vida girava em torno de sentir culpa e falar de dieta…”, conta. Após anos de efeito sanfona, ela tentou as técnicas da nutrição comportamental. “Foi aí, pela primeira vez, que sobrou comida no prato, que o chocolate durou semanas e que deixei de ser refém da comida. Ainda tenho dias difíceis, mas comer se tornou prazeroso. E, desde então, comecei a emagrecer, mesmo que esse não fosse mais o foco.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *