Cannabis é eficiente na redução de dores crônicas, ósseas e musculares

Tratamento à base de canabidiol melhora a qualidade de vida dos pacientes

Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Estudos da Dor (SBED), 37% da população brasileira, cerca de 60 milhões de pessoas, relatam sentir dor de forma crônica. Essa porcentagem é ainda maior quando o assunto é Mialgia (63%) e Artrose (80%). Esses números apontam que uma parcela da população sofre diariamente com problemas relacionados à dor.

 

Para a médica da clínica Gravital, Amanda Medeiros Dias, a dor é um alerta de que algo não está bem, por isso senti-la é fundamental para mantermos a integridade do organismo. Porém, quando a dor é crônica, é preciso buscar uma solução paliativa que ajude na manutenção da qualidade de vida do paciente.  “Doenças que lesionam o sistema nervoso, fazem com que o sistema de dor fique continuamente ativo. É o que chamamos de dor neuropática, onde, muitas vezes, a dor passa a ser a doença. Nesses casos, e em vários outros, a cannabis medicinal tem se mostrado muito eficaz, pois controla os estímulos neuropáticos, já que os receptores canabinóides estão amplamente distribuídos pelo corpo”, explica.

 

Além das dores crônicas, a médica conta que diversos estudos confirmam a eficiência da cannabis medicinal no caso de dores ósseas e musculares como: osteoporose, osteomielite, artrite, mialgia, fibromialgia, tendinite, bursites, além de lombalgias e dores na coluna vertebral, incluindo (vértebras), discos, músculos e ligamentos que dão sustentação ao corpo. “Os tratamentos convencionais comumente prescritos para o controle de dores ósseas, articulares e musculares crônicas, seja por lesões, traumas, cirurgias ortopédicas ou no agravamento de doenças degenerativas, incluem opioides, que são medicamentos analgésicos que geram mais dependência e toxicidade. Já o canabidiol é muito menos agressivo e não interfere na qualidade de vida dos pacientes”, afirma Amanda.

 

Em tratamento

Para a atleta e paciente na clínica Gravital Curitiba, Camila Macedo, o tratamento com o canabidiol é fundamental. “Eu tenho várias lesões, microlesões, artrite nos dedos, já rompi tendões, ligamento do joelho, e o CBD e o CBG me ajudam muito. Eu já faço uso há algum tempo e percebo nitidamente menos inchaço, rigidez e dor, além de uma recuperação muscular mais rápida, o que faz com que tenha mais disposição e possa treinar dia sim, dia não”, explica a atleta.

A eficácia do tratamento com cannabis medicinal também é sentido quando o assunto é a enxaqueca, doença crônica que atinge cerca de 20% das mulheres, segundo estudos da Sociedade Brasileira de Cefaleia. “A enxaqueca é uma doença crônica muito debilitante e notamos uma eficácia no tratamento com a cannabis, que gera uma redução nos ataques e crises”, afirma Amanda.

 

A médica  também destaca que o enorme preconceito e tabu em relação ao tratamento com cannabis está associado ao uso recreativo, porém na versão medicinal a própria cepa da planta é diferente. “As dosagens dos componentes são bem mais baixas, dentro de limites seguros, principalmente do THC, que é o composto psicoativo. A cannabis tem cerca de 500 substâncias ativas, como os canabinóides, terpenos e flavonoides, que funcionam como potencializadores do canabidiol e THC, o tetrahidrocanabinol”, finaliza.

Confira abaixo algumas doenças relacionadas à dor que se beneficiam da cannabis medicinal:

  • Ansiedade
  • Artrite reumatoide
  • Artrose
  • Câncer
  • Dermatites, acne e psoríase
  • Doenças gastrointestinais
  • Dor neuropática
  • Dores de cabeça
  • Endometriose
  • Enxaqueca
  • Esclerose múltipla
  • Fibromialgia
  • Lesões musculares
  • Osteoporose
  • Doenças veterinárias

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar