Médicos Sem Fronteiras leva exposição fotográfica Pergunte ao Tempo para a Bienal do Livro de São Paulo

A partir de sábado (09/07), a organização também distribuirá revistas temáticas da Turma da Mônica sobre doença de Chagas

Médicos Sem Fronteiras (MSF) está na 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo até o dia 10/07, com a exposição fotográfica interativa Pergunte ao Tempo. São 12 registros marcantes da história da organização, que completou 50 anos recentemente. Na mostra, o público é desafiado a dizer se a imagem é antiga ou atual. Difícil acertar de primeira.

Um dos registros revela uma fila sem fim formada por crianças, mulheres e homens com olhares perdidos em um local em Bangladesh. Eles são refugiados Rohingyas, que estão fugindo da violência em busca de uma vida melhor. Ao lado do painel, a pergunta: “de que ano essa imagem é? 1978 ou 2018?”.

Para obter a resposta, os visitantes só precisam apontar o celular para o QR Code disponível junto às imagens, e acessar os vídeos e textos explicativos sobre o contexto de cada uma das crises humanitárias.

Neste caso, a resposta correta é 2018. Desde os anos 90, mais de um milhão de refugiados Rohingyas já fugiram da violência em sua comunidade natal. Mesmo após todos esses anos, a migração ainda é um problema enfrentado por essa população. Hoje há mais de 800 mil refugiados Rohingyas em Bangladesh, a maioria em Cox’s Bazar, o maior acampamento de refugiados do mundo.

Em outra imagem, essa sobre crise nutricional, famílias esperam por atendimento em uma tenda médica em Afar, na Etiópia. A foto é de 1986 ou 2022? Acertou quem disse 2022. No entanto, embora a foto mostre o testemunho de MSF sobre uma crise nutricional mortal nos dias atuais, há pelo menos três décadas o país enfrenta níveis alarmantes de desnutrição.

Com esse olhar sobre o tempo, a exposição tenta provocar o público a refletir sobre as constantes guerras, conflitos, epidemias e catástrofes, que afetam as pessoas mais vulneráveis. “MSF completou 50 no final do ano passado. Muito poderia ter mudado durante todo esse tempo. Mas, em muitos locais onde atuamos, temos a sensação de que a situação não mudou muito. Ainda há muito a fazer”, explica Nira Torres, diretora de comunicação de MSF. Em áreas em que o passado parece se confundir com o presente, a organização continua levando cuidados de saúde para as pessoas que mais precisam.

Quem não está em São Paulo ou não pode visitar a Bienal, tem a possibilidade conferir a mostra virtualmente. É só clicar aqui.

Além da exposição, a organização vai distribuir revistinhas temáticas da Turma da Mônica sobre doença de Chagas a partir de sábado (09/07). A publicação, produzida em parceria com o Instituto Mauricio de Sousa, traz informações em linguagem simples e acessível para que pais e filhos entendam quais são as formas de prevenção, sintomas e tratamento da doença, que ainda afeta muitos brasileiros. Para quem não for à Bienal, o pdf da publicação está no site de MSF. É só baixar e curtir as histórias dos personagens. Clique aqui e acesse o link para baixar a revistinha.

26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Expo Center Norte

Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo

O estande de MSF é o N110, que fica na rua N.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar