Como os pais podem contribuir para a saúde mental de seus filhos?

Famílias têm papel fundamental para ajudar crianças e adolescentes a lidarem com sentimentos e problemas

A saúde mental não deve ser vista como um problema a ser resolvido na vida adulta. Segundo uma pesquisa da Universidade de Calgary, um em cada quatro jovens desenvolveu algum tipo de ansiedade durante a pandemia, enquanto o percentual de crianças e adolescentes com depressão subiu de 12,9% a 20,5%.

Nesse contexto, a psicóloga do Marista Escola Social Irmão Lourenço Michele Morais explica que os pais têm um papel importante com os cuidados com a saúde mental de seus filhos: “Nem sempre as crianças e adolescentes conseguem expressar o que está acontecendo e, no caso dos mais novos, ainda não existe a capacidade de processar e lidar com experiências negativas”.

No período da infância, o cérebro está em desenvolvimento e o seu funcionamento é afetado por essas experiências negativas. Além de mudanças no comportamento, elas desencadeiam o aumento da produção do cortisol — também conhecido como o hormônio do estresse —, o que prejudica as conexões dos neurônios.

As vivências das crianças e adolescentes são importantes para determinar o desenvolvimento na fase adulta, já que o amadurecimento do cérebro nesta fase serve de base para o restante da vida. “É nesse período que surgem os primeiros sintomas de transtornos que podem se intensificar na vida adulta. Escutar, acolher e oferecer a ajuda necessária podem contribuir para que esses sintomas não piorem”, pontua a psicóloga Michele Morais.

Como cuidar da saúde mental das crianças e adolescentes?

Fique atento aos sinais

Mesmo em casos em que o jovem não consegue se expressar verbalmente sobre o que está passando, certos comportamentos podem acender o alerta para que os pais providenciem ajuda. Alguns exemplos são aumento da agressividade e irritabilidade; nervosismo sem causa aparente; pesadelos recorrentes e falta de vontade de realizar atividades que antes considerava prazerosas.

Converse sobre sentimentos

Quando não têm oportunidade de aprender a expressar seus sentimentos, as crianças se tornam adultos com mais dificuldade de autoconhecimento e com sua maturidade emocional comprometida. Conversar desde cedo sobre as emoções cria conexão com os sentimentos e aumenta a autoconfiança e a compreensão consigo mesmo e com os outros.

Ensine a lidar com o estresse

Vivenciar situações estressantes é inevitável. Mas é possível mostrar aos jovens formas de processar o estresse de uma nota baixa ou uma briga com um amigo, por exemplo, de forma que ele não contribua para a insegurança da criança ou crie memórias traumáticas. Algumas dicas são meditar juntos, ensinar exercícios de respiração e práticas de resolução de conflitos.

Promova um ambiente saudável dentro de casa

Um ambiente familiar seguro e saudável permite que a criança desenvolva conexões emocionais e tenha mais autoconfiança, o que contribui para sua saúde mental. Para promover esse local de segurança, é importante cultivar vínculos com atividades entre a família, de forma a criar um sentimento de pertencimento familiar, e garantir que a criança tenha todos os dias alguns momentos de tempo livre para passar nesse ambiente, evitando a sobrecarga e criando espaço para tempo de qualidade em casa.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar