Terapias-alvo facilitam o transplante de medula óssea, que representa a melhor chance de cura para pacientes com tipo agressivo de leucemia

Campanha Fevereiro Laranja reforça importância do diagnóstico precoce e da doação de medula para melhores desfechos clínicos

A campanha Fevereiro Laranja, que tem como objetivo conscientizar sobre as leucemias e a importância da doação de medula óssea, começa a fomentar discussões relevantes sobre a doença no país. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para cada ano do triênio 2020/2022, serão diagnosticados mais de 10 mil casos novos de leucemia. A jornada do paciente com leucemia é complexa e específica. Apesar disso, nas últimas décadas, o melhor entendimento da fisiopatologia da doença e de seus diferentes marcadores genéticos e moleculares (inclusive dentro de um mesmo tipo de leucemia), propiciaram o desenvolvimento de novos medicamentos e uma significativa melhora no tratamento da doença1, resultando no aumento da sobrevida2 e da qualidade de vida dos pacientes3 e seus cuidadores.

Entre eles estão as terapias-alvo – medicamentos que atacam especificamente as células cancerígenas e, por isso, geram menos efeitos colaterais6 . “Em alguns casos, esses novos tratamentos podem ser decisivos para viabilizar o transplante de medula, que representa a melhor chance de cura para o paciente.”, enfatiza Dr. Eduardo Rego, professor titular da faculdade de medicina da USP e vice-presidente do Comitê de Membros Internacionais da American Society of Hematology – ASH.

Agressividade da doença aumenta complexidade da jornada de pacientes

Geralmente de origem desconhecida, a leucemia provoca crescimento desordenado de células doentes na medula óssea, que desempenha um papel fundamental na produção das células sanguíneas, como glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e as plaquetas. Existem mais de doze tipos de leucemia – que podem ser classificadas a partir da velocidade de progressão do quadro ou o tipo de célula comprometida – sendo a leucemia mieloide aguda (LMA) o tipo mais grave da doença e de rápida progressão, que acomete principalmente idosos4.

“Cerca de 50% dos pacientes acima dos 60 anos são resistentes à quimioterapia inicial. E ainda cerca de 50 a 70% dos pacientes sofrem com o reaparecimento células doentes, processo chamado de ‘recidiva’5”, explica o Dr. Eduardo. A agressividade da LMA demanda um planejamento global do tratamento desde o início. O diagnóstico correto, por meio da realização de testes moleculares e genéticos, pode definir um tratamento personalizado, visando levar o paciente ao transplante de medula óssea, e eventualmente, à cura da doença.

O caminho até o diagnóstico final pode ser tortuoso, já que os principais sintomas são inespecíficos e podem ser confundidos com outras enfermidades, como anemia, cansaço, palidez e fadiga, queda de imunidade, baixa na contagem de plaquetas, infecções persistentes, febre, hematomas, sangramentos espontâneos, aumento do baço e fígado ou manchas vermelhas na pele. O principal exame que sugere um diagnóstico de leucemia é o conhecido hemograma, um exame de sangue simples, que deve ser sucedido por outros exames mais específicos para confirmação do diagnóstico.

Após o diagnóstico, pacientes enfrentam novos desafios, especialmente aqueles com idade mais avançada, pois podem apresentar doenças associadas que afetam o prognóstico e influenciam a escolha terapêutica, até mesmo a realização de um transplante de medula óssea.

Apesar do Brasil contar com mais de 5 milhões de doadores cadastrados7, a chance de um paciente encontrar um doador compatível é de uma em 100 mil.  “Por isso, fazer o cadastro e manter os dados atualizados no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea é tão importante”, defende o Dr. Eduardo. “Quem convive com pacientes tem um papel ainda mais especial, ao acompanhar a rotina, acolher e apoiar na tomada de decisões ao longo do tratamento”, completa.

Referências:

[1] (Tomizawa et al, 2015; Gomes et al, 2018; Przespolewski et al, 2018)

2 (Bailey et al, 2018)

3 (Alibhai et al, 2015; Efficace e Cannella, 2016)

4 De Kouchkovsky I, Abdul-Hay M. Blood Cancer J. 2016 Jul 1;6(7):e441

5 Döhner H, et al. Diagnosis and management  of AML in adults: 2017 ELN recommendations from an international expert panel. Blood 2017 129:424-447

6 Entendendo a terapia-alvo. ONCOGUIA. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/terapiaalvo/7208/840/ Acesso em: 23 de agosto de 2021

Dados. REDOME. Disponível em: http://redome.inca.gov.br/o-redome/dados/ Acesso em: 23 de agosto de 2021.

 

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar