“MAIS ARTE, MENOS AIDS 2021” é a mostra virtual de arte com artistas que vivem e convivem com HIV

A pandemia da Aids completa 40 anos e a Agência Aids realiza a Mostra “Mais Arte, Menos Aids” que, pelo segundo ano, acontecerá virtualmente no sábado, 27 de novembro, entre 14h e 19h, com transmissão online pela TV Agência Aids, pelo Youtube e Facebook.

 O objetivo é utilizar a arte para falar de prevenção, HIV/Aids e Direitos Humanos em tempos de isolamento social e pandemia da Covid-19. “Considero muito importante promovermos a reflexão de profissionais e ativistas sobre os 40 anos da pandemia no Brasil e no mundo”, diz Roseli Tardelli, fundadora da Agência e curadora da Mostra.

PROGRAMAÇÃO

 

14h – abertura e início da mostra virtual 

Adriana Bertini e Flip Couto apresentam o conceito da mostra, falam sobre a influência da arte nestes 40 anos de Aids no mundo

14h20 -Adriana fará uma exibição confeccionando uma obra de arte

14h40 – Flip Couto vai apresentar uma performance

15h – Aids e literatura 

Os jovens escritores Priscila Obaci, Thais Renovatto e Salvador Côrrea conversam sobre arte, Aids e literatura; e leem trechos de seus livros

16h – performance 40 anos de Aids – vivendo com arte e dignidade 

Rafael Bolacha, Drew Persi e Gabriel Comicholli apresentarão uma performance desenvolvida pelos três e vão conversar, ao vivo, sobre os desafios da arte contra Aids em tempos de pandemia

17h – apresentação musical – Gaê 

Gabriel Estrela vai cantar sucessos de Cazuza e Renato Russo e trazer três músicas autorais

17h45- Bertini e Flip conversam com Micaela Cyrino sobre a influência da luta contra Aids na sua obra.

19h – encerramento 

Mostra “MAIS ARTE, MENOS AIDS 2021”

27 de novembro, entre 14h e 19h

transmissão Youtube e Facebook da Agência Aids

 

Sobre os artistas da Mostra “MAIS ARTE, MENOS AIDS 2021

 

Adriana Bertini – transforma embalagens de antirretrovirais, preservativos e medicamentos vencidos ou defeituosos em matéria-prima para ser usada na confecção de obras de arte. Essas molduras, esculturas e vestidos de mulheres coloridas destinam-se a aumentar a conscientização e inspirar a reflexão sobre a importância da prevenção de ISTs e HIV e do autocuidado. Suas obras estão em 24 museus no mundo, tem publicações em 30 livros além de artigos científicos. Artista multimídia aborda temas como HIV/AIDS, câncer, fome e mutilação genital feminina, direitos humanos e meio ambiente na produção artística. Atualmente estuda bio art e pesquisa na linguagem artística a promoção da testagem de ISTs através do reaproveitamento de placas de testes rápidos para HIV, HCV, HBC e sífilis. A artista discute de forma multidisciplinar o papel da arte contemporânea.

Flip Couto – idealizador do Coletivo AMEM, traz em seus trabalhos discussões sobre negritudes, sexualidades e saúde da população negra e HIV/Aids a partir da Cultura Hip Hop e Cultura Ballroom. Recebeu o prêmio APCA 2018 na categoria “Difusão e memória” pelo Festival Vozes do Corpo e ‘Prêmio Denilto Gomes de Dança 2019 – Olhares para Estéticas Negras e de Gênero na Dança”.

Priscila Obaci – artista e educadora. Criadora de KISÂNSI – Consciência corporal para Mães – Bebês – Pais. Integrante do núcleo Black Babywearing Brasil – Carregar Preto. Autora de Poesias Pós-Parto (2020 – Oralituras) e a Catimba e Flauta em coautoria com Allan da Rosa. (2012 – Edições Toró).

Thaís Renovatto – autora do livro 5 Anos Comigo, escolhido pelo Selo de Novos Talentos da Literatura Brasileira da editora Novo Século, onde conta sua trajetória afim de ajudar numa sociedade mais acolhedora livre de estigmas e preconceitos.

Salvador Côrrea – autor do livro “O Segundo Armário: diário de um jovem soropositivo”, que conta a história de Gabriel de Souza Abreu é o heterônimo de Correa que, até então, não havia assumido publicamente a soropositividade, descoberta em 2011.

Rafael Bolacha – ativista, ator, bailarino, cineasta e escritor. É integrante da Cia Noz de Teatro, produtor e apresentador do canal online Chá dos 5 e idealizador do Projeto Uma Vida Positiva, onde aborda a temática HIV/Aids em segmentos como: blog, livro, cinema, espetáculo de dança e palestras. Vive com HIV desde 2009.

Drew Persí – ativista, autor de “Vidas” autobiografia que mostra a importância da resiliência, de se visitar um passado e fazer as pazes com ele, e deixa claro que sempre vale a pena escolher viver.

Gabriel Comicholli – ator e youtuber, conta tudo sobre o dia a dia de um HIV positivo no canal “Deu positivo, e agora?”

Micaela Cyrino – ativista do movimento de mulheres negras, desenvolve produção artística sobre os estigmas e preconceitos em relação a Aids e ao HIV, em pinturas, intervenção na rua e performances. Integra o coletivo Nacional Trovoa.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar