Alerta para o aumento de casos de malária entre indígenas em Guajará-Mirim

Cidade é a terceira do estado de Rondônia no ranking de casos da doença; hospital intensificará ações para conscientizar a população

No mês em que é celebrado o Dia Mundial da Malária nas Américas (6/11), o Hospital Bom Pastor (HBP), unidade própria da Pró-Saúde em Guajará-Mirim (RO), alerta sobre os principais sinais e dá orientações sobre a doença que afeta, principalmente, a população indígena.

Em Guajará-Mirim, na divisa com a Bolívia, dados do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica (Sivep) apontam um aumento de 9,3% no total de casos entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. A cidade aparece em terceiro lugar no ranking de aumento de casos no estado, atrás apenas de Porto Velho e Candeias do Jamari.

Entre a população indígena, o aumento é ainda maior. O órgão aponta que na região de Guajará-Mirim, a ocorrência de malária nas aldeias aumentou mais de 65% no período.

O diretor Hospitalar do Hospital Bom Pastor, Geraldo Fonseca, destaca que “o habitat do Anopheles, mosquito que transmite a malária, é na mata e os indígenas também vivem neste ambiente. Por isso, são mais acometidos pela doença”.

Neste ano, até o momento, foram diagnosticados 28 casos de malária no Hospital Bom Pastor, dos quais 24 em pacientes indígenas. Na unidade, os testes para diagnóstico da doença são recorrentes. Para intensificar a conscientização sobre a doença, o HBP organizou uma roda de conversa com os pacientes internados e acompanhantes e, também, distribuirá cartazes informativos para que todos fiquem atentos aos sintomas e prevenção da doença.

“Aqui é rotina testar para malária, principalmente, os pacientes indígenas, independentemente da idade. Todos que dão entrada com histórico de febre realizam a coleta para teste de plasmodium”, ressalta a diretora Técnica do Bom Pastor, Márcia Guzman.

Referência para 54 aldeias da região e distante dos centros urbanos, o Hospital Bom Pastor está localizado em uma região onde 90% do acesso é feito por meio fluvial. A unidade realiza consultas, exames, cirurgias, partos e internações, com estrutura pensada especificamente para a população indígena, com itens como redes nas enfermarias, profissionais fluentes em dialetos indígenas e até mesmo uma oca na parte externa.

Tipos da doença

A malária é uma doença infecciosa, causada pelo parasita do tipo Plasmódio, transmitido por meio da picada da fêmea do mosquito Anopheles, conhecido como “mosquito prego”, mais abundantes ao entardecer e ao amanhecer. Os primeiros sintomas surgem entre dez e 15 dias após a infecção.

No Brasil, existem três tipos mais recorrentes de malária:

Plasmodium falciparum: é o tipo mais agressivo, capaz de se multiplicar rapidamente na corrente sanguínea, destruindo até 25% de glóbulos vermelhos no sangue, causando anemia grave. Ao mesmo tempo, há a possibilidade de formação de coágulos, gerando trombose e embolia (bloqueio de uma artéria).

Plasmodium vivax: refere-se à um tipo de malária branda e raramente mortal. Nesse caso, o tratamento torna-se difícil, isso porque o parasita se aloja no fígado, dificultando sua eliminação.

Plasmodium malarie: a doença provocada por essa espécie tem quadro clínico semelhante à Plasmodium vivax. Nesse caso, o indivíduo afetado pelo parasita, pode ter recaídas a longo prazo com a possiblidade de desenvolver a doença novamente.

Sinais de alerta e prevenção

Os sintomas mais comuns são febre alta, calafrios intensos, tremores, sudorese, perda de apetite e cefaleia. Quando causada pela espécie Plasmodium falciparum, tipo mais grave, pode envolver quadros de anemia grave, convulsões, insuficiência renal e dificuldade respiratória.

O principal meio de prevenção é evitar a picada do mosquito que transmite a doença. Isso pode ser feito com o uso de repelentes na pele exposta e na roupa, além de rede mosqueteira que é acessível e de fácil transporte. Vale ressaltar que essa rede também deve ser impregnada de repelente, como precaução a mosquitos menores que possam atravessá-la.

O tratamento é realizado por meio de medicamentos fornecidos gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde), com objetivo de impedir o desenvolvimento do parasita. “A cura é possível quando a doença é tratada em tempo e de forma adequada. No entanto, sem os devidos cuidados, pode se tornar ainda mais grave e causar a morte”, destaca Márcia.

O Hospital Bom Pastor está localizado na Avenida Pimenta Bueno, 663, no Centro de Guajará-Mirim, fronteira com a Bolívia. A unidade presta atendimento gratuito via Sistema Único de Saúde (SUS), mediante contrato com o poder público.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar