Seletividade alimentar é uma característica do espectro autista que pode ser melhorada

Intervenção adequada auxilia a criança com seletividade alimentar a expandir a aceitação dos alimentos

O autismo não é caracterizado como uma doença, mas sim uma condição neurológica, responsável pelo desenvolvimento e comportamento de uma pessoa e como ela percebe o mundo, portanto não há cura. Porém, muitos avanços foram feitos nos últimos anos e a estimulação precoce multidisciplinar tem apresentado resultados extremamente satisfatórios no tratamento de pessoas com TEA (Transtorno do Espectro Autista).

Uma das características mais comuns nestes indivíduos é a seletividade alimentar, ou seja, uma forte resistência em ingerir determinados alimentos e texturas. Em muitos casos a criança leva esse hábito até a fase adulta e mesmo assim não desenvolve de modo satisfatório esta ocorrência.

A dra. Carla Deliberato, é fonoaudióloga e dedica-se ao estudo e tratamento de bebês e crianças com seletividade e recusa alimentar e apresenta técnicas simples capazes de reverter o quadro de seletividade em crianças com TEA. “O primeiro passo é identificar o grau de seletividade e onde está a maior dificuldade, se é na textura, na apresentação do prato ou até mesmo nas cores”- comenta Carla

A profissional inicia seu atendimento entendendo as dificuldades que os pais enfrentam durante as refeições, depois é hora de observar a criança. Por essa razão, para os experimentos, em seu consultório existe uma cozinha onde alguns alimentos são apresentados e preparados para a criança. Após entender a problemática, utiliza técnicas que envolvem a criança no processo do preparo até que chegue ao prato e ela já tenha familiaridade e inclinação a provar o alimento.

A criança precisa participar, para conhecer e reconhecer os sabores e cores dos alimentos, só assim é possível se familiarizar e introduzir texturas diferentes. “A criança que é resistente a texturas, pode desenvolver alguns problemas de deglutição, dentição e até a fala” – afirma a fonoaudióloga. É sabido que a fala também é atingida por crianças com TEA e o processo de atendimento de introdução alimentar e o tratamento da seletividade contribui também para o desenvolvimento da fala, já que o ato de mastigar também fortalece os músculos da face e da garganta.

A estimulação precoce em crianças com TEA minimiza muitos danos e garante que seu desenvolvimento e relação com os demais seja menos impactada e proporcione uma melhora na qualidade de vida.

 

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar