Pesquisa inédita abre novas possibilidades para pacientes renais em relação à síndrome de desequilíbrio da hemodiálise

A síndrome é um evento grave, ainda pouco estudado. Está ligada ao comprometimento neurológico do paciente renal. O estudo foi possível porque agora os cientistas contam com a possibilidade do monitoramento não invasivo da pressão intracraniana do paciente durante a hemodiálise.

O artigo científico Use of non-invasive intracranial pressure pulse waveform to monitor patients with End-Stage Renal Disease (ESRD), publicado no Plos One, em 22 de julho, pode abrir uma nova perspectiva para pacientes com doença renal que precisam passar por hemodiálise. Pela primeira vez na história da ciência foi possível monitorar a pressão intracraniana desses pacientes antes e depois das sessões de hemodiálise, usando o método não invasivo brain4care para avaliar as variações da pressão intracraniana durante o tratamento. O estudo inédito é de um grupo de cientistas brasileiros liderado pelos pesquisadores Cristiane Rickli e José Carlos Rebuglio Vellosa, da Divisão de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG, Ponta Grossa (PR).

E por que é tão importante acompanhar a variação da pressão intracraniana desses pacientes? Cristiane informa que apesar da hemodiálise ser a terapia de substituição das funções renais utilizada no mundo, ela está associada a diversos efeitos colaterais. Durante a hemodiálise pode acontecer intercorrências como hipotensão, náuseas e câibras. Além disso, depois do procedimento é comum os pacientes apresentarem queixas  de dor de cabeça, fadiga e incapacidade de concentração. “São sintomas que podem estar relacionados à retirada excessiva de líquidos durante à hemodiálise ou à uma forma leve da síndrome do desequilíbrio da hemodiálise”, diz.  A síndrome é um evento grave, ainda pouco estudado. Sabe-se que está ligada ao comprometimento neurológico  do paciente, mas na maioria dos casos quando chega a ser diagnosticada já está em estágio adiantado e o paciente não sobrevive.

O que difere um paciente que está sofrendo efeitos comuns da hemodiálise daquele que está com síndrome do desequilíbrio da hemodiálise é a presença de edema cerebral e aumento da pressão intracraniana. Assim, a possibilidade de monitorar de maneira não invasiva esses pacientes pode levar o médico a considerar a hipótese de uma síndrome do desequilíbrio da hemodiálise em fase inicial e tomar medidas mais eficientes de manejo do paciente, que podem salvar sua vida.

Na literatura científica já existem artigos que trabalham com a hipótese de que dor de cabeça, náuseas e câimbras, em pacientes submetidos à hemodiálise podem ser sinais de síndrome do desequilíbrio da hemodiálise. “Ocorre que até o momento, as alternativas para diagnóstico eram invasivas, por exemplo, inserir um cateter no ventrículo cerebral por meio de cirurgia para obter o valor da pressão intracraniana”, diz. O método invasivo, de acordo com a pesquisadora, além de inviabilizar o diagnóstico também limitou os estudos sobre a síndrome do desequilíbrio da hemodiálise.

Entenda como acontece o monitoramento não invasivo

O interior do crânio é composto de três elementos: tecido cerebral, sangue e líquor. A pressão intracraniana é o resultado das interações entre os volumes desses elementos e seu equilíbrio é fundamental para a saúde, é o que chamamos de complacência intracraniana. Com a tecnologia brain4care, utilizada pelos pesquisadores,  um sensor encostado na cabeça do paciente, com ajuda de uma faixa, capta movimentos sutis por meio de um dispositivo (computador, tablet ou celular) com acesso à internet e os envia à nuvem. Um algoritmo transforma os dados em curvas que refletem o estado da complacência do cérebro, tudo em tempo real, para interpretação e acompanhamento da equipe médica.

Os pesquisadores acompanharam 42 pacientes com doença renal terminal em hemodiálise por seis meses. No total, 4881 monitorações foram realizadas durante o período do estudo.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar