Tabu sobre homens sensíveis vira filme e traz relação de marido e mulher nos bastidores

O escritor Sandro Araújo tem descoberto uma nova paixão em sua vida, a atuação. Ele é o protagonista do filme “Novembro”, que fala sobre a sensibilidade masculina e retrata a solidão de muitos homens em busca de um padrão imposto pela sociedade.

O longa, que será lançado em breve, é uma adaptação de um dos seus cinco livros, “Solidão e Destino”, escrito em 2010. Ele conta sobre a trajetória que o levou para a frente das câmeras, fala sobre seus livros, expõe sua relação com a esposa, a atriz Railane Borges, e revela tudo sobre seus projetos.

“Novembro”

Sem esconder seu lado romântico e sensível, Sandro explica que “Novembro” retrata exatamente esse homem que permite que suas emoções fiquem afloradas. “É um filme belíssimo esteticamente, mas que lida com um assunto que considero um tabu, que é a sensibilidade masculina.

Numa sociedade onde a hipocrisia reina, “Novembro” deixa escancarado como isso pode levar um ser humano aos últimos degraus das dores emocionais”, diz o autor que relembra o momento em que vivia em 2010, quando escreveu o livro que inspirou o longa:

“Quando escrevi o “Solidão e Destino” eu me encontrava absolutamente solitário, apesar de cercado de gente. Insatisfeito com a carreira. Com pouquíssimos amigos e uma relação distante com pai e mãe. Vivia imerso em uma grande tristeza, desejando coisas que eu não podia ter, como resultado das minhas próprias escolhas”, relata.

A escolha do livro para ser a primeira adaptação para o audiovisual foi decidida por Sandro e pela esposa, a atriz e diretora, Railane Borges, que também é sua sócia na produtora Mirenax.

“Quando conversei com a Rai sobre meu desejo de fundarmos uma produtora de cinema, propus que começássemos nossos trabalhos gravando um longa-metragem. Pensamos então em adaptar um dos meus livros e escolhemos o mais intimista, com o menor número de personagens e locações. Daí optamos pelo ‘Solidão e Destino'”, conta Sandro que se viu diante de mais um desafio no processo de “Novembro”, afinal ele interpreta o protagonista do filme:

“Havia feito teatro quando era adolescente. Mas nunca havia atuado de forma séria e ali, era um divisor de águas na minha vida. Eu estava dando corpo e alma a um personagem criado por mim mesmo. Especial demais isso tudo”, comemora.

Sandro Araújo não esconde a paixão e a cumplicidade que ele e a esposa têm, parceria essa que se estendeu de casa para o trabalho. Além da sociedade na produtora, Railane Borges dirige o marido em “Novembro” e enaltece a competência da mulher.

“Eu tive a sorte e o privilégio de ser dirigido pela Rai, que tirou de mim o melhor que eu podia dar. Acho que a presença dela no set, foi essencial para que as coisas dessem certo, ela foi o farol da minha jornada”, elogia Sandro com brilho nos olhos.

Novos Projetos

O próximo desafio é fazer uma série para a televisão com mais um livro de autoria própria. “Federal – Uma história de Polícia” será adaptado e vai virar uma série documental que retrata a realidade do Brasil, em especial, o Rio de Janeiro, estado em que Sandro nasceu.

“Estamos na fase de delinear os personagens, dar a cada um deles personalidade e história de vida. Em paralelo, estamos escrevendo o roteiro. A série mostrará o submundo do crime no RJ e no Brasil, a promiscuidade entre agentes da lei e criminosos, as dificuldades de fazer a polícia funcionar como a sociedade precisa”, detalha o autor que deseja voltar a atuar e ser dirigido pela esposa:

“Sinceramente, espero que sim! Ainda mais porque a Rai irá dirigir todos os episódios e trabalhar ao lado dela é estimulante ao extremo”, finaliza Sandro deixando transparecer toda a sua paixão.

Comece a digitar e pressione o Enter para buscar