Síndrome do Impostor: Como superar o pessimismo defensivo no dia a dia – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Síndrome do Impostor: Como superar o pessimismo defensivo no dia a dia

Fernanda Gazal, especialista em consultoria de imagem e idealizadora do método Superself, explica o que é a síndrome do impostor e lista dicas para se curar desse problema

Você já ouviu falar na Síndrome do Impostor? Medo de exposição, auto sabotagem, comparação com outras pessoas, querer agradar todo mundo e procrastinação são os principais comportamentos que acometem as pessoas que possuem a síndrome, e acabam, consequentemente, tendo o seu desenvolvimento profissional e pessoal afetados. Apesar da síndrome não ser considerada um transtorno psiquiátrico pela Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo dados de uma pesquisa realizada pela Universidade de Salzburg, na Áustria, aproximadamente 70% da população já vivenciou esse problema pelo menos uma vez na vida.

“A Síndrome do Impostor faz a gente viver uma vida de mentira e na maioria das vezes, a gente começa a fingir alguns comportamentos, para as pessoas não descobrirem nossas vulnerabilidades e nossas fraquezas”, explica Fernanda Gazal, especialista em consultoria de imagem, marketing de moda, body language e comunicação. A sensação de não ser suficiente, faz com que as pessoas tentem forçar características e competências que não são naturais e que não fazem parte de sua essência. “Esse comportamento faz com que elas não aceitem ser amadas, ser respeitadas, ser elogiadas, porque quando recebem esse tipo de afeto, pensam que as pessoas estão fazendo isso pela imagem que ela criou e pelo o que ela finge ser, não pelo o que ela é de verdade”, completa.

Se você se identificou e acredita que está vivendo a Síndrome do Impostor, existem algumas dicas que podem ajudar você a lidar com esses problemas e a controlar esse sentimento angustiante, para que não seja mais um fator paralisante na sua rotina. A especialista Fernanda Gazal lista abaixo alguns passos e tarefas práticas que podem ser seguidos para te auxiliar nesse processo. Confira:

Encare a realidade dos fatos

Coloque o pé no chão e enxergue o que de fato é real. Cenários irreais são criados, fazendo com que as pessoas se percam dentro deles. Saiba separar o que é imaginação e o que é realidade no medo que está sentindo. “Seja mais prático ao pensar nos possíveis riscos e desafios que pode enfrentar para conseguir o que quer. E da mesma forma que consegue compreender o que pode não dar certo, considere todas as possibilidades incríveis e positivas que também podem acontecer quando você faz o que sabe que precisa ser feito. Entenda que é natural que ninguém começa nada novo super confiante e seguro, isso é algo que vem com a prática e consistência. E se você se permitir passar por esse processo, cedo ou tarde chegará nos resultados que almeja”, ressalta Fernanda.

Saiba quais são as suas competências e reconheça os seus pontos fortes

Quando você se pegar paralisada em algum desafio, percebendo esse sentimentos de sabotagem faça duas listas, uma com que o que você realmente sente que tem domínio, experiência, conhecimento e competência e outra com o que realmente não sabe ou não domina. “Com isso, você terá claro quais são as áreas que você tem credibilidade e assim, terá menos insegurança para compartilhar os seus conhecimentos com outras pessoas e a sua visão sobre o assunto, com base no que você estudou, construiu e viveu durante a sua trajetória”, aconselha a consultora.

Eleve sua percepção de contribuição

Tenha claro que o que você faz contribui sim com as outras pessoas de algum modo, seja por meio do seu trabalho, das suas ações pessoais ou da sua fala. “Quando você deixa de fazer alguma coisa que você sabe que é necessária, você está fazendo um desserviço, agindo através do seu ego. Porque ao invés de pensar como isso impactaria as outras pessoas, como isso ajudaria outras pessoas, está pensando nos próprios medos e inseguranças”, afirma a especialista.

Aceite elogios

Uma dica que parece muito simples na teoria, pode ser difícil de aplicar na vida real. Aprenda a aceitar e internalizar os elogios. Não diga apenas obrigado, ouça de verdade e deixe que o comentário positivo agregue na sua vida. “Quando a gente recebe uma crítica, automaticamente já internalizamos isso e começamos a pensar em mudanças para reverter a situação. Faça o mesmo com os elogios, absorva os comentários bons e use-os para te fortalecer no dia a dia”, finaliza Fernanda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *