É a reciprocidade que mantém vínculos afetivos saudáveis – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

É a reciprocidade que mantém vínculos afetivos saudáveis

Quando o relacionamento chega ao ponto do "tanto faz" é preciso ter coragem de aceitar a falência afetiva ou ascender a chama que conecta, ou seja, o amor. Recomenda o neurocientista Fabiano de Abreu

“A indiferença, muitas vezes, fere mais do que a raiva”. A afirmação é do PhD, neurocientista, neuropsicólogo e biólogo Fabiano de Abreu ao refletir sobre a dinâmica que envolve todo o relacionamento humano. “Portanto, concluo que a reciprocidade é o fator que garante o equilíbrio e mantém a saúde nos vínculos afetivos; mas a reciprocidade não é uma regra, não há como cobrar do outro que ele nos dê exatamente o que oferecemos porque ele só pode oferecer o que ele tem”, pondera.

Ao afirmar que são inúmeras as camadas e matizes que envolvem diferentes relacionamentos (românticos, profissionais, familiares, fraternais), Fabiano argumenta que prever o comportamento do outro cria expectativas que podem ter consequências ruins como, por exemplo, a mágoa.

O neurocientista destaca que independente do tipo de relacionamento, é imprescindível uma espécie de “liga conectiva”, ou seja, “a reciprocidade une e mantém os laços afetivos”, sublinha, alertando que é preciso saber escolher com quem se relacionar. “A reciprocidade é fundamental para a qualidade da relação e um princípio valioso para a vida”, afirma.

Um relacionamento positivo, em que a reciprocidade tem papel preponderante, não tem espaço para inércia, frieza e indiferença e, muito menos, para emoções descontroladas, adoecidas e negativas. “Muitas vezes, o casal briga para tentar manter a relação, isto é, investe uma energia contrária de ambiente harmonioso, de paz, de amor”, ressalta Fabiano. “Esse cenário também desenha o adoecimento do amor, um sentimento tão contraditório como poderoso”, aponta.

Fabiano assegura que quando a indiferença se instala é sinal de que existe no relacionamento uma desistência, “um tanto faz, a liga rompe”. Ilustra sua colocação afirmando que “muitos casais ficam juntos por força do hábito, comodismo, preguiça, carência, necessidade de controle e tantos outros motivos. Porém, o apelo físico não existe, certamente, o amor acabou, o fogo da paixão apagou”, acentua.

É o cenário perfeito para a indiferença se instalar e ferir muitos mais do que a raiva. “Onde não há mais desejo de harmonia, não haverá investimento afetivo de conquista”, frisa Fabiano. Ele explica que diante de queixas e reclamações ainda é possível a tentativa de ajuste e reconciliação, no entanto, perante a indiferença, “fica claro que no espaço criado entre dois seres há um “eco sentimental” imenso e egoísta, onde só se ouve a própria voz”.

De acordo com Fabiano, amor e ódio não são antônimos. “O contrário do amor é a indiferença, a falta absoluta de engajamento”, define. Para o neurocientista, quando o “nós” não é mais o sujeito da relação e se desfaz e apenas o “eu” se mantém na mais absoluta solidão, é necessário ter coragem de revelar a falência afetiva. “É mais honesto e admirável do que carregar nas costas o peso de um naufrágio emocional, porque o amor é chama que aquece um relacionamento e se ela apaga, é preciso reascendê-la”.

No pensamento do neurocientista, às vezes, é melhor ser feliz sozinho do que fazer par com a infelicidade.

Sobre Fabiano de Abreu – jornalista com Mestrado e Doutorado em Ciências da Saúde nas áreas de Neurociências e Psicologia pela universidade EBWU nos Estados Unidos e na Université Libre des Sciences de l’Homme de Paris. Ainda na área da neurociência, pós-graduação na Universidade Faveni do Brasil em neurociência da aprendizagem, cognitiva e neurolinguística e Especialização em propriedade elétricas dos neurônios e regiões cerebrais na Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Pós-Graduação em Neuropsicologia pela Cognos de Portugal, Mestre em Psicanálise pelo Instituto e Faculdade Gaio, membro da Unesco e Neuropsicanalista pela Sociedade Brasileira de Psicanálise Clínica. Especialização em Nutrição Clínica e Riscos Psicossociais pela TrainingHouse de Portugal e Filosofia na Universidade de Madrid e Carlos III na Espanha.  Integrante da SPN – Sociedade Portuguesa de Neurociências – 814, da SBNEC – Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento – 6028488 e da FENS – Federation of European Neuroscience Societies – PT30079 e membro da Mensa, sociedade de pessoas de alto QI com sede na Inglaterra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *