Outono propicia aumento de casos de conjuntivite alérgica em crianças – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Outono propicia aumento de casos de conjuntivite alérgica em crianças

A maioria dos casos é benigna e está associada à rinite alérgica

Coceira, vermelhidão, irritação e lacrimejamento. Esses são os principais sintomas da conjuntivite alérgica sazonal. Os dados epidemiológicos variam de país para país. Um estudo mostra que, em média, a alergia ocular afeta 30% da população infantil.

Segundo a oftalmopediatra Dra. Marcela Barreira, a conjuntivite alérgica sazonal é, de longe, a mais comum.

“A maior parte dos casos é mediada por IgE. Isso significa que a alergia se desencadeia imediatamente após o contato com o alérgeno. Esse tipo de conjuntivite é diferente daquelas causadas por vírus ou bactérias”.

Eles estão em toda parte

Entre os alérgenos que podem desencadear uma conjuntivite alérgica estão os ácaros, o pólen, pelos de animais, mofo, produtos de higiene pessoal, produtos de limpeza e poluição. Embora a alergia ocular seja mais comum no outono e na primavera, ela pode acontecer em qualquer época do ano.

“A maior prevalência nessas estações está ligada ao ar mais seco. O ar seco e a falta de chuva são fatores climáticos que mantêm os alérgenos pairando no ar, bem como presos às superfícies. É comum no outono tirar roupas, mantas e cobertores dos armários. E sabe-se que é usual um acúmulo de ácaros em roupas guardadas por muitos meses”, explica Dra. Marcela.

Diferenciais

A conjuntivite alérgica tem características que a diferencia das infecciosas.

“A coceira é o traço mais marcante desse tipo de conjuntivite. Não é contagiosa e pode se estender por até seis semanas, caso não seja tratada. A secreção costuma ser mais esbranquiçada, enquanto as conjuntivites infecciosas costumam deixar uma secreção amarelada, típica da infecção”, afirma Dra. Marcela.

Tratamento específico

O tratamento da conjuntivite alérgica é diferente dos casos infecciosos, já que muitas vezes é preciso tratar o quadro alérgico de forma global.

“O tratamento da conjuntivite alérgica é mais demorado. Isso porque há picos de exacerbação e picos de melhora, como qualquer tipo de alergia. Geralmente, são utilizados dois medicamentos para tratar os casos alérgicos: um antialérgico e algum tipo de corticoide em forma de colírio”, diz Dra. Marcela.

Há casos de conjuntivite alérgica severa em crianças, que necessitam de um tratamento prolongado, mas são menos prevalentes.

Quando a criança tem conjuntivite alérgica crônica é preciso acompanhar regularmente com um oftalmopediatra, além de controlar os fatores que podem desencadear a alergia. Se os pais já têm conhecimento do que aumenta a alergia, o ideal é evitar que a criança entre em contato com estes alérgenos.

“Vale lembrar que nenhum medicamento deve ser usado nos olhos sem a devida prescrição médica, especialmente quando falamos de colírios com corticoide ou qualquer outro colírio”, finaliza a médica.

Dicas

  • Compressas de soro fisiológico frio nas pálpebras podem ajudar na eliminação da secreção acumulada e pode aliviar a coceira;
  • Evitar ao máximo deixar a criança coçar os olhos, pois esse hábito pode desencadear problemas na córnea, como ulceração corneana;
  • Manter a casa limpa;
  • Retirar tapetes, cortinas e qualquer outro adorno que possa acumular pó;
  • Se possível, usar um umidificador de ar nos ambientes em que mais a criança fica;
  • Seguir corretamente a prescrição médica quanto à dose e o tempo de uso dos colírios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *