Mulheres jovens e não fumantes também são vítimas de câncer de pulmão – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Mulheres jovens e não fumantes também são vítimas de câncer de pulmão

Novas orientações de entidade americana especializada ampliam a quantidade de pessoas que devem fazer o rastreio anual da doença, mas ainda foca em fumantes

Há uma relação direta entre câncer de pulmão e tabagismo. E, durante muito tempo, acreditou-se que a doença acometia principalmente fumantes ou, em menor risco, de um subgrupo de fumantes passivos. Mas, segundo o oncologista Carlos Gil Ferreira, presidente do Instituto Oncoclínicas, nos últimos anos houve uma mudança nesse parâmetro. “Vem crescendo o número de pessoas diagnosticadas com câncer de pulmão que nunca fumaram e, muitas vezes, nunca tiveram contato direto com fumantes”, diz o médico.

Dentro desse grupo, o número que mais cresce é o de mulheres jovens não-fumantes. “Mulheres com um tipo de tumor chamado adenocarcinoma, que nunca fumaram, têm diagnosticadas com um tipo de câncer de pulmão com características diferentes. A doença tem alterações moleculares dierentes do câncer de pulmão de tabagistas, comportamento clínico distinto e pode ser tratada com medicamentos específicos, chamados de drogas-alvo”, afirma Carlos Gil Ferreira.

É importante, portanto, estar atendo aos sintomas para que se faça exames prococemente.

“Mulheres jovens, com menos de 50 anos, consideradas saudáveis, mas com sintomas respiratórios persistentes, deveriam buscar avaliação médica”, diz o médico.

“Se entre fumantes, que são o grupo sabidamente de maior risco, o câncer de pulmão é constantemente detectado em estágios muito avançados, o que dificulta o tratamento, a probabilidade de diagnóstico tardio em pessoas jovens e consideradas saudáveis aumenta consideravelmente”, completa. No Brasil, o câncer de pulmão é o quarto tipo de tumor mais frequente entre elas e o terceiro entre os homens. Sendo assim, programas de prevenção primária (mudança de estilo de vida, sobretudo cessação do tabagismo), de prevenção secundária (diagnóstico precoce) devem ser prioridade na saúde pública.

Novas diretrizes de rastreamento em 2021

A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (USPSTF) atualizou as recomendações para detecção precoce do câncer de pulmão. No documento publicado recentemente no Journal of the American Medical Association (JAMA), a orientação é de ampliar o grupo de pessoas que deve fazer exames anuais para a doença. O foco ainda está em fumantes, mas agora ainda mais jovens e que consomem menos cigarro, o que pode ajudar no diagnóstico precoce.

Fumantes, ou pessoas que pararam a menos de 15 anos, entre 50 – 80 anos que consumiram um maço de cigarro por dia durante um ano ou o equivalente a isso, devem fazer anualmente uma tomografia computadorizada de tórax com baixa dose de radiação. Antes eram fumantes com 30 “anos-maço” e com idade entre 55 e 80 anos.

No Brasil, ao contrário de alguns países da Europa e nos Estados Unidos, não há na saúde suplementar ou no SUS, a regulamentação para o rastreamento preventivo com uma tomografia para pacientes fumantes – que atendem a maioria dos casos de câncer de pulmão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *