Brasileiro melhora a percepção de qualidade da alimentação com a pandemia e deve manter hábitos saudáveis em 2021 – Afina Menina – Um Portal para todas Nós

Brasileiro melhora a percepção de qualidade da alimentação com a pandemia e deve manter hábitos saudáveis em 2021

RGNutri e Tech.Fit ouviram mais de mil pessoas no país, com idades entre 18 e 65 anos, de todas as classes sociais; grande maioria está otimista

Os brasileiros, que tiveram que mudar seus hábitos no início da pandemia, buscaram melhorar a qualidade da alimentação ao longo de 2020 e estão mais preocupados com a saúde e bem-estar, buscando produtos mais saudáveis. Esses são alguns dos resultados de pesquisa concluída no final do ano passado pela RGNutri, consultoria especializada em nutrição e alimentação, em conjunto com a Tech.Fit, plataforma digital de self-care do Brasil. A pesquisa mostra que houve uma mudança de postura do consumidor para melhor, em relação à qualidade da alimentação, desde o começo da pandemia no Brasil, em março, comparativamente ao final do ano, e que o consumidor deve incorporar esses hábitos mais saudáveis à sua rotina também em 2021.

O levantamento, realizado entre os dias 7 e 10 de dezembro, ouviu 1.060 pessoas em todas as regiões do país, homens e mulheres com idades entre 18 e 65 anos, e atualizou pesquisa semelhante feita em abril. O objetivo foi verificar como o isolamento forçado da pandemia influenciou ao longo do ano o bem-estar dos brasileiros e seus hábitos alimentares. A maioria dos entrevistados (84%) acredita que a vida em 2021 será excelente (29%), ótima (21%) ou boa (34%), enquanto apenas 13% regular e 3% ruim e péssima.

A pesquisa mostra, por exemplo, que o consumo de alimentos frescos, como frutas e verduras, aumentou para 50% dos pesquisados nos três meses finais do ano passado, comparativamente ao mês de abril de 2020. Além disso, alimentos congelados (carnes, legumes, empanados), secos (arroz, feijão e enlatados) e o lanche da tarde (pipoca, castanhas, barrinhas) apresentaram tendência de queda no mesmo período. Houve ainda desaceleração no consumo de produtos para lanches, como como pães e frios, mesmo cenário verificado para os sucos prontos, refrigerantes e guloseimas, como doces e biscoitos recheados.

Um dos pontos de destaque no levantamento é a percepção de que as melhorias alimentares vieram para ficar e devem até melhorar durante o ano de 2021 (veja abaixo os resultados da pesquisa).

“No início ficamos preocupados com a mudança negativa de hábitos como resposta da pandemia, mas no final do ano observamos uma recuperação e uma vontade positiva de resgatar hábitos saudáveis. A pesquisa mostrou que 78% dos entrevistados passaram a se preocupar mais com a relação entre alimentação e saúde e 53% dos entrevistados declaram ter buscado mais informação sobre a função dos alimentos”, afirma Heloisa Guarita, CEO da RG Nutri. A consequência destas mudanças impactou positivamente a avaliação da qualidade da alimentação – e a boa notícia é que, após o impacto inicial negativo em abril/20, quando a pandemia levou a um consumo aumentado de lanches e guloseimas e diminuição de alimentos frescos, os brasileiros chegaram ao final de 2020 com uma recuperação positiva na qualidade de alimentação.

Neste novo horizonte, diz o levantamento, 79% dos brasileiros aprenderam que, para o bom funcionamento do organismo, é preciso procurar cada vez mais o equilíbrio entre o corpo e a mente, como exercícios físicos, meditação, leitura e descanso. 84% dos entrevistados afirmaram que a imunidade do corpo e sua relação com os alimentos será uma preocupação daqui em diante, mostrando que a pandemia guardou um tempo de cada para refletir sobre saúde de uma forma holística.

Qualidade alimentar veio para ficar

Busca por alimentos funcionais, plant based e mão na massa aumentou nos últimos seis meses – e este movimento vai continuar ascendente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *