Imunidade: a importância da nutrição – Afina Menina

Imunidade: a importância da nutrição

Mesmo com toda preocupação gerada pela pandemia, os brasileiros ainda sofrem com a insuficiência de micronutrientes importantes para o sistema imune

O sistema imunológico é um conjunto de células, substâncias e barreiras físicas que tem a função de proteger o nosso corpo de qualquer organismo desconhecido, evitando infecções e doenças crônicas. Dessa forma, mantê-lo fortalecido é essencial para o equilíbrio do nosso organismo como um todo, já que qualquer quadro de doença impacta de forma expressiva a qualidade de vida. De fato, 2020 ensinou muito sobre a importância do cuidado com a saúde, especialmente o relacionado ao sistema imunológico. Valorizá-lo e preservá-lo é uma medida essencial para uma vida mais saudável.

Manter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios físicos e cuidar da qualidade do sono são importantes aliados da imunidade, é o que explica a nutricionista e consultora da Naiak, Karla Maciel. “Além disso, diversas situações podem causar um estado de imunodeficiência, ou seja, quando nossas células de defesa e barreiras protetoras não estão conseguindo exercer o seu trabalho de forma eficiente. Como por exemplo o estresse, o excesso de consumo de bebidas alcoólicas, a obesidade, o envelhecimento, exposição demasiada à poluição, entre outros fatores aos quais estamos expostos diariamente”, esclarece a nutricionista.

Os micronutrientes (vitaminas e minerais) e ativos imunomoduladores exercem um papel essencial para fortalecer a imunidade. A deficiência deles é um problema de saúde pública global, inclusive no Brasil. Alguns estudos que foram conduzidos com a população brasileira demonstraram uma alta insuficiência do consumo de vitaminas A, C, D e E, além de minerais como selênio, zinco, ferro e cálcio. E de acordo com a nutricionista uma forma de suprir os níveis destes nutrientes é através da suplementação.

Entenda um pouco mais a importância de cada um dos nutrientes para a imunidade:

 

Vitamina D

A deficiência de vitamina D é altamente prevalente na população, devido à baixa quantidade de fontes alimentares, somada ao estilo de vida indoor da maioria das pessoas. A sua suplementação torna-se aliada da adequação da concentração sérica deste importante micronutriente, principalmente para auxiliar na imunidade.

Veja mais  Idosos com arritmias cardíacas têm mais risco de desenvolver demência

Quase todas as células de defesa expressam o receptor da Vitamina D, demonstrando o papel dele para o funcionamento das células de defesa. Além disso, ela é essencial para a tolerância imunológica, ou seja, ela coordena a resposta das células imunológicas para equilibrar as respostas contra antígenos (substâncias estranhas ao corpo), amenizando, por esse motivo, quadros alérgicos.

Um recente estudo conduzido por Charoenngam e Holick (2020) demonstrou que a baixa concentração de vitamina D está associada ao maior risco de doenças e desordens relacionadas ao sistema imunológico, inclusive, ao novo coronavírus.

Vitamina C

A vitamina C exerce efeitos na sinalização das células imunológicas, tanto nas da imunidade inata quanto nas da adaptativa. Ela suporta, ainda, a função de barreira da pele contra patógenos. Além disso, ela exerce um potente efeito antioxidante, ou seja, combate os radicais livres gerados no organismo. A sua deficiência resulta em uma piora do status de imunidade do indivíduo, sendo sua suplementação associada à prevenção e ao tratamento de infecções respiratórias.

Vitamina E

A vitamina E é um potente antioxidante e é encontrada em alta concentração nas células imunológicas, sendo um dos mais efetivos nutrientes moduladores da função imunológica, atuando na integridade e sinalização dos anticorpos para a resolução da infecção.

Selênio

O selênio é um mineral essencial ao adequado funcionamento de diversas enzimas antioxidantes, atuando na resistência a infecções virais e desempenhando um importante papel imunomodulador A sua deficiência está relacionada com redução da imunidade, exacerbação da inflamação e vulnerabilidade na defesa do organismo contra patógenos. Sua suplementação, segundo Gombart, Pierre e Maggini (2020), pode ser usada como terapia adjuvante segura em infecções virais.

Veja mais  Acidente Vascular Cerebral: é preciso reconhecer sinais e procurar ajuda em até 4 horas

Zinco

A deficiência de zinco está relacionada com maior prevalência de infecções virais. Ele também exerce um papel fundamental na regulação de enzimas antioxidantes, além de ser essencial para a manutenção da barreira intestinal, que também tem função imunológica.

Extrato de própolis

A literatura científica (MARIANO e HORI, 2019) afirma a ação imunomoduladora do extrato de própolis verde, podendo ser um potencial tratamento complementar e alternativo no controle de infecções ou outras patologias, promovendo maior eficiência do sistema imunológico.

Confira uma dica de produto!

O Imuno Health é um lançamento da Naiak fonte de vitamina D3 (colecalciferol), com excelentes concentrações de vitamina C, vitamina E, zinco, selênio, além de ser enriquecido com o extrato de própolis verde, o que promove excelente biodisponibilidade e eficácia do seu uso! São nutrientes que agem em sinergia, logo, propicia uma ação imunomoduladora e complementa o cuidado com sua saúde de forma prática! Cada cápsula contém -500 mg de vitamina C, 30 mg de zinco, 320µg de selênio, 2000 UI de vitamina D, 100 mg de vitamina E e 0,75 mg de compostos fenólicos provenientes do extrato de própolis verde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *