Cerâmica x Porcelanato: entenda as diferenças entre esses revestimentos com as dicas da arquiteta Cristiane Schiavoni – Afina Menina

Cerâmica x Porcelanato: entenda as diferenças entre esses revestimentos com as dicas da arquiteta Cristiane Schiavoni

Durabilidade, resistência, processo produtivo e usabilidade são algumas das características que diferenciam os dois materiais

Versátil, o porcelanato marca presente em todo o apartamento, inclusive na bancada deste lavabo idealizado pela arquiteta Cristiane Schiavoni | Foto: Carlos Piratininga

A escolha entre as opções do mundo cerâmico desperta muitas dúvidas na hora de reformar ou construir um imóvel, no entanto, o porcelanato figura na lista dos mais bem cotados no momento. O motivo vai além da beleza e possibilidade de estampas e formatos, já que o material tem grande durabilidade e resistência. A arquiteta Cristiane Schiavoni, fã assumida desse revestimento, explica as principais diferenças entre o porcelanato e a cerâmica.

Embora bem semelhantes, ambos têm diferenças já em sua fabricação. Segundo especialistas da marca Incepa, a cerâmica convencional reúne argila e alguns minerais, enquanto o porcelanato é um misto de porcelana e materiais mais nobres. A temperatura de queima das duas matérias-primas também é díspar: a queima mais alta do porcelanato dá mais resistência mecânica e química à peça, além de baixa porosidade. “Em resumo, isso faz do porcelanato uma peça muito resistente ao risco, desgaste e ao ataque químico”, comenta Cristiane.

Há quem acredite que a principal diferença está na borda retificada, que permite usar o rejunte fininho, quase inexistente. “Porém, muita gente não sabe que também podemos ter cerâmica retificada, assim como há o porcelanato com a borda arredondada, que a gente chama de bolde. Por isso, a olho nu, às vezes, realmente é difícil distinguir um produto do outro”, continua a arquiteta.

Conhecido dos brasileiros desde os anos 1990, o porcelanato não para de ganhar espaço nos lares. Outra diferença importante é a questão da impermeabilidade, já que o porcelanato é quase impermeável, o que traz algumas vantagens para a obra, dependendo da situação que ele vai ser utilizado. Segundo a marca Incepa, um bom índice para perceber a porosidade de uma peça é a medição de sua absorção de água. Os porcelanatos são os revestimentos que menos absorvem água de todo mercado, com um índice de menos de 0,5%. Em comparação, revestimentos Grés absorvem de 0,5 a 3%; semi-porosos, por sua vez, de 3 a 6%. Os revestimentos de parede, classificados como porosos, superam 10% de absorção de água.

 

Neste apartamento, o porcelanato que reproduz o visual da madeira foi a opção certa para a bancada de refeições acoplada a ilha de Dekton vermelho. Já na foto á direita, a arquiteta Cristiane Schiavoni adotou o porcelanato em piso (com aparência de mármore), bancada e parede (tipo tijolinhos) da área gourmet | Fotos: Carlos Piratininga

Porcelanato técnico e esmaltado

Se a ideia é optar pelo porcelanato, vale diferenciar o técnico do esmaltado. Os técnicos possuem superfície polida ou natural e são pouco porosos, contendo um índice de absorção máximo de 0,1%, enquanto o esmaltado tem um índice máximo de 0,5%. O porcelanato técnico ainda tem uma composição especial, para que a massa porcelânica esteja em sua superfície, conferindo altíssima resistência mecânica, a riscos e abrasão.

Já os porcelanatos esmaltados vêm com uma camada de esmalte em sua fabricação, oferecendo mais brilho à peça, além de um toque acetinado ou áspero. Essa característica permite desenvolver uma infinidade de cores e decorações nas peças, que ficam um pouco mais porosas que os porcelanatos técnicos. Tornam-se indicadas para parede e pisos, desde que sejam observadas as indicações de uso, que levam em consideração, entre outros itens, como a quantidade de pessoas em circulação ou o ambiente ser seco ou molhado.

Com o passar do tempo e os avanços tecnológicos, em especial da impressão digital em HD, os porcelanatos só aprimoraram o visual cada vez mais idêntico ao de pedras, madeiras, tijolos e outros elementos naturais. “Antes, muita gente acabava apostando no revestimento para áreas molhadas, como cozinhas e banheiros. Mas hoje, é uma opção imbatível também para livings, quartos e varandas”, aponta Cristiane. “O calor e o toque da madeira ainda são insubstituíveis, mas o porcelanato chega bem perto, com maior facilidade de limpeza e resistência a manchas, por exemplo”, continua.

Segunda a arquiteta, o porcelanato é muito versátil e traz infinitas possibilidades. “Os grandes formatos ganharam as bancadas, em usos que antes a gente não conseguia porque as peças eram pequenas e havia muitas emendas. Uso muito em cozinha, banheiro, lavanderia e até mobiliário”, enumera Cristiane Schiavoni. O porcelanato tem uma resistência muito grande, portanto é bem-vindo em piso e parede, desde que sigam as normas técnicas. Já a cerâmica precisa ser analisada pela sua graduação: PI1, PI2, PI3, até o 5. É preciso fazer uma avaliação de onde você vai usar o revestimento, pois numa piscina, por exemplo, onde o atrito é zero, não é contraindicada a cerâmica.

Sala e varanda integradas neste projeto de Cristiane Schiavoni receberam placas de porcelanato de grande formato, de 1,20 m x 0,60 m. Com visual de pedra e acabamento brilhante, o material espalha luminosidade | Foto: Carlos Piratininga

 

Arquiteta Cristiane Schiavoni

Av. Imperatriz Leopoldina, 957, sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo

Tel. (11) 3649 4900

www.cristianeschiavoni.com.br

@cristianeschiavoni

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *