Saiba como transformar a sua varanda em uma área social integrada ao restante do apartamento – Afina Menina

Saiba como transformar a sua varanda em uma área social integrada ao restante do apartamento

Adeptos à tendência que propicia mais espaço para convivência de moradores e convidados, os arquitetos Renato Andrade e Erika Mello dão as dicas sobre como conectar os ambientes, respeitando as características de cada um

Neste projeto assinado pelo escritório Andrade & Mello Arquitetura, a varanda se tornou parte da sala de estar | Foto: Luis Gomes

 

Já faz algum tempo que as varandas de apartamentos deixaram de ser uma área ‘sem graça’ e usada apenas para abrigar plantas, como mini ‘quintais’, e apreciar a vista do bairro. Com a tendência dos ambientes integrados, a área, que pode ser chamada também de ‘novo living’, ganhou diferentes usos e se tornou muito requisitada em novos projetos.

Segundo a arquiteta Erika Mello, sócia de Renato Andrade no escritório Andrade & Mello Arquitetura, o pedido dos novos moradores é super compreensível, haja vista reflete o desejo e a busca por espaços maiores. “Quando trabalhamos a integração da varanda, ampliamos uma área da casa, seja a sala, quarto ou sala de jantar. E como o ambiente, por si só, não tem a necessidade da limitação de paredes, proporciona uma sensação mais agradável”, explica a arquiteta.

Em um imóvel pequeno, a varanda atua como extensão dos cômodos, revelando-se como uma área valiosa a ser aproveitada pelo morador (Por Andrade & Mello) | Foto: Luis Gomes

 

Nesse contexto, Renato também destaca uma visão mais atual do mercado imobiliário, que tanto em imóveis pequenos, como também os maiores, tem privilegiado uma planta mais voltada para o ‘estar juntos’, em detrimento à parte íntima. Principalmente nesse período em que ser humano, em um primeiro instante, se viu obrigado a ficar em seus lares, o desejo por ter mais espaços para atividades sociais se tornou ainda mais evidente. “Na varanda é possível ter o contato com a natureza, receber convidados, preparar um churrasco, descansar ou até mesmo ter uma sala de estar ampliada. Tudo de acordo com a vontade do morador e nosso trabalho é tornar realidade”, declara.

 

Mas como realizar essa integração? Confira as dicas dos profissionais para integrar o seu espaço e deixá-lo do seu jeitinho:

Nesta varanda gourmet integrada assinada pelos arquitetos Erika Mello e Renato Andrade, a aposta foi evidenciar o natural como base da decoração. Básico e aconchegante! | Foto: Luis Gomes

Veja mais  Quarto infantil: acompanhe dicas de decoração para deixar o ambiente ainda mais acolhedor para os pequenos

Defina o que deseja

 

 

Nesse projeto, a varanda ganhou status de sala de jantar. Para a incorporação com a sala de estar, os arquitetos investiram no mesmo revestimento, ocasionando a perspectiva de continuidade, assim como o amadeirado presente nos móveis projetados nos dois ambientes | Foto: Luis Gomes

 

O primeiro passo traçado por eles é entender as aspirações do morador para o local.  Existe a possibilidade de criar uma varanda como área gourmet, ambientação para descansohome office (uma alternativa muito aprazível para o rendimento e o bem-estar de quem trabalhará definitivamente em casa), uma área para leitura, um bar… e outras milhões de possibilidades! Quando o uso é determinado, Erika e Renato partem para a análise do espaço disponível, as alterações/adaptações que devem ser efetuadas para dar a nova roupagem para a varanda, e ao mesmo tempo, conectar com o outro ambiente.

 

No caso de áreas gourmets, as mais comuns nos apartamentos, o projeto conceberá uma ‘mini cozinha’ que, em linhas gerais, englobará uma bancada para a elaboração de pratos, pia, um cooktop e a tão sonhada churrasqueira. “Mesmo quando a varanda emana esses ares voltados para a alimentação, o projeto deve seguir uma linguagem que seja compatível com proposta da sala de estar, por exemplo. A todo momento buscamos essa alquimia na arquitetura de interiores”, avalia Erika.

 

Atente-se com a segurança e regras do condomínio
 

A luz natural traz um ar clean para a varanda integrada com a sala de estar. Super confortável! (Por Andrade & Mello) | Fotos: Luis Gomes

Uma coisa importante para toda extensão de varandas é o fechamento do vidro, primordial o conforto de quem a desfrutará – é maravilhoso saber que a proteção do ambiente permite sua utilização com sol (ou não), frio e até mesmo à noite. “É uma comodidade sem igual. Além disso, contribui para que os móveis e objetos de decoração não sofram com as intempéries climáticas”, observa Renato.

Veja mais  Segurança completa na cozinha: Roca apresenta guia sobre cubas

 

Além disso, aplicar uma telar solar ou película de vidro para criar uma proteção adicional figura-se como uma excelente opção, principalmente por conta dos dias de sol, caso também das persianas, que colaboram para a privacidade dos moradores. Entretanto, há uma ressalva: antes de instalar o vidro no perímetro da sacada, deve-se consultar as regras do condomínio por duas questões essenciais. Primeiramente, para constar que o edifício foi calculado para suportar a carga do vidro em todos os apartamentos e, como segundo ponto, para seguir a definição do modelo, tamanho e largura, com vistas à padronização da fachada. “E pensando na abertura, sempre consideramos o descerramento do vidro em um lado livre de móveis”, detalha o arquiteto.

 

Em imóveis antigos, que não permitem o emprego do vidro, é possível instalar telas e proteções verticais que permitem a intimidade e a sensação de um ambiente mais reservado.

 

Abuse das plantas

 

Para manter o ambiente agradável e arejado, espécies de plantas bem selecionadas se configuram como parte da decoração, além de conceder o entusiasmo e o frescor da convivência com o natural. “Vasos com flores também são super bem-vindos”, detalha Erika.

Entre as espécies, uma sugestão interessante é a Pata de Elefante, planta adaptada à luz do sol indireta e que expressa sua felicidade quando está próxima à janela ou fechamento de vidro. Entre tantas indicadas, a arquiteta afirma que se trata de espécie menos volumosa, apesar de sua folhagem espalhada. “Assim, não ocupa a circulação do ambiente”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *