Óleo de Melaleuca (Tea Tree) pode tratar caspa, seborreia e outros males do couro cabeludo – Afina Menina

Óleo de Melaleuca (Tea Tree) pode tratar caspa, seborreia e outros males do couro cabeludo

A tricologista Viviane Coutinho e a médica Karla Lessa ensinam como usar o produto
Ultimamente os óleos essenciais vêm cada vez mais sendo usados para tratar os cabelos e o couro cabeludo.  O Óleo de Melaleuca é um dos destaques dessa seleção.
Obtido a partir de folhas da conhecida Tea Tree (árvore do chá), o óleo de melaleuca tem origem australiana, mas também cultivada em países da Europa, América do Sul e Ásia.
Segundo a tricologista Viviane Coutinho, o produto pode promover a saúde capilar.
“Ele é aplicado nos distúrbios de oleosidade, caspa, seborréia e dermatites por ter propriedades antissépticas, impedindo o micróbio infeccioso criar resistência a ele. O óleo possui uma complexidade química tão grande, com mais de 100 componentes, que uma bactéria não consegue modificar seu sistema enzimático para lidar com isso. Sua aplicação mais interessante está na eliminação de bactérias causadoras de infecções”, explica a profissional.
“Ele é conhecido por seu alto poder anti-inflamatório, antioxidante (por ter na composição um álcool monoterpeno : a-terpineol) e pelas propriedades anti bactericida e antisséptica (devido ao fenol terpinen-4-ol ) . Tem também propriedades antifúngicas”, completa Dra. Karla Lessa, médica e proprietária do Instituto Lessa.
Viviane diz que ele pode ser aplicado junto com um óleo vegetal quinzenalmente, dependendo do caso.
“Fazer um blend com 5ml de vegetal de semente de uva ou abacate e 2 gotas do melaleuca”.
“Ele pode ser usado como coadjuvante no tratamento da acne, e também no tratamento da dermatite seborreia, para acalmar a pele após a depilação ou como antisséptico para eliminar alguns odores corporais. Lembrando que o uso de qualquer produto deve ser indicado pelo seu médico”, finaliza Dra. Karla.

 

Veja mais  Setembro Amarelo: entenda a relação entre o consumo excessivo de açúcar e a depressão

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *