Como o isolamento social ajudou no envolvimento e participação paterna nos lares – Afina Menina

Como o isolamento social ajudou no envolvimento e participação paterna nos lares

Pai solo de duas crianças e influenciador digital, Ton Kohler defende a paternidade ativa e revela que achava ser um pai participativo antes de sua esposa falecer

Nunca antes a frase ‘o melhor presente é ser presença’ fez tanto sentido nas relações entre pais e filhos. Com o isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus, a convivência familiar passou a ser mais intensa nos últimos meses, fazendo com que muitos pais dedicassem mais tempo à sua família.

As rotinas que antes eram desenvolvidas dentro do contexto escolar, passaram a ser de responsabilidade dos pais depois da pandemia, como as aulas online, por exemplo. Além disso, as famílias precisaram aprender a lidar com outras atividades simultâneas como trabalhar, participar de reuniões, cuidar da casa, preparar várias refeições durante o dia, tudo isso no mesmo ambiente.

Contudo, em alguns lares a participação da figura paterna no cuidado diário com os filhos e até mesmo nas atividades domésticas, ainda é um tabu. Para o pai solo e influenciador digital Ton Kohler, mesmo que o papel do homem dentro do lar esteja passando por constantes transformações, é preciso ter consciência da responsabilidade que envolve o cuidado, criação e desenvolvimento de uma criança. “Eu sempre achei que fosse um pai participativo. Cuidava das crianças, dividia com a minha esposa as atividades da casa e trabalhava em tempo integral durante o dia. Mas como mãe, ela tinha uma sobrecarga emocional muito maior que a minha, a qual eu nem imaginava”, conta.

Veja mais  Aleitamento exclusivo é desafio para 60% das mães

Ton Kohler perdeu a sua esposa há dois anos, após ela sofrer um ataque cardíaco durante um treino na academia. Eles foram casados por seis anos e dessa união nasceu o Pedro, hoje com 5 anos e a Mariana com 3 anos. “Depois que a Renata partiu, eu assumi totalmente a responsabilidade com as crianças. Foi quando percebi que não era um pai tão participativo quanto achava ser”, revela o influenciador.

A paternidade ativa vai além do sustento financeiro. A principal relação se dá pelo vínculo afetivo e emocional do pai com a criança. Ton ainda conta que antes da sua esposa falecer, não se preocupava com questões do dia a dia das crianças. “Algum pai já parou para olhar a carteira de vacina dos seus filhos? Ou abriu a gaveta de meias para ver se ainda tinham suficientes para a semana? E até mesmo se preocupou com a agenda da escola e o que mandar de lanche no dia seguinte? Essas são algumas das responsabilidades que muitas mães carregam sozinhas”, ressalta.

Veja mais  Violência contra a mulher: os graves riscos à saúde mental das mulheres e como oferecer ajuda?

Em 2018, Ton Kohler criou o projeto Papai em Dobro, com o objetivo de mostrar por meio das redes sociais, workshops e palestras, como é possível dedicar mais tempo para os filhos, principalmente aos homens, motivando a paternidade ativa.

Diante de todo esse cenário, Ton Kohler passou a compartilhar ainda mais suas experiências de casa, filhos, home office – o que tem ajudado muitos outros pais a lidarem com essa nova relação de paternidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *