A resiliência está na moda, o sofrimento não

Na obra “Ensaio Sobre a Crise da Felicidade”, o autor Antoine Abed explica que saber perder às vezes é o melhor caminho para ser feliz

Toda época tem suas palavras da moda, que muita gente repete sem saber direito de onde vêm. Houve um tempo em que se ouvia com frequência as expressões “fica frio”, “lero-lero”, e o que falar do “broto”? Hoje, uma das palavras da vez é “resiliência”. Na psicologia, ela é usada para definir a capacidade de lidar com problemas sérios, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos e sair mais forte. Seu uso indiscriminado, no entanto, pode ser perigoso e justificar sofrimentos desnecessários.

No livro Ensaio Sobre a Crise da Felicidade, publicado pela Editora Albatroz, o escritor carioca Antoine Abed apresenta o conceito de “saber perder” como forma de aprimorar a resiliência. Ele explica que a recente corrida por informações sobre o tema é justificada pelas transformações rápidas e constantes da sociedade atual, onde as pessoas não conseguem se encontrar nem desenvolver uma identidade satisfatória. Aí, só o que resta é saber aguentar os golpes da vida, mas essa virtude não deve ser usada nessas condições.

“Quando o indivíduo tem que fazer uso da sua resiliência, isso quer dizer que não há mais o que possa ser negociado e evitado, ele já não é senhor das suas atitudes; está preso a algum outro senhor, e sua única forma de comportamento dali em diante é a resiliência. Já o indivíduo que desenvolve a capacidade de ‘perder’ para não abdicar totalmente de sua liberdade e individualidade, nunca espera a ponto de precisar usar sua resiliência. Ele sabe que isso só se faz necessário em último caso e tentará de todas as formas controlar a situação para não chegar a esse ponto.” (Ensaio Sobre a Crise da Felicidade, pág. 51)

Com isso, o escritor Antoine não propõe abandonar totalmente a resiliência, mas saber julgar quando ela é indispensável, quando é enriquecedora e quando o indivíduo está apenas aceitando uma situação de sofrimento, que deveria ser definitivamente resolvida.

Para adquirir esse crivo, só há um caminho: experiência de vida. E, para isso, é preciso estar disposto a aprender e sentir algo novo todos os dias. Dá o que pensar, né? O livro Ensaio Sobre a Crise da Felicidade é um delicioso resgate à filosofia, que vai ajudar o leitor a encontrar respostas para as angústias mais comuns da sociedade contemporânea.

Ficha Técnica:
Título
: Ensaio Sobre a Crise da Felicidade
Autor: Antoine Abed
ISBN-10: 8571450080
ISBN-13: 978-8571450080
Editora: ALBATROZ; Edição: 1ª (2019)
Páginas: 84 páginas
Formato: 21 x 14 x 0,5 cm
Preço: 19,90

Link para compra: http://bit.ly/livroAA

Sinopse do livro: Por que temos a sensação de que sempre falta algo em nossas vidas? Parece que não conseguimos nos encaixar nas diversas possibilidades existentes de como viver. Atualmente, constatamos a grande quantidade de pessoas, de diferentes idades, perdidas e sem rumo, que vivem de forma automática, sem propósito e objetivo definido. O que aconteceu com a geração atual? O autor identifica uma crise da sociedade contemporânea, fazendo uma reflexão sobre como vivemos e, com a ajuda de Bauman, Epicuro e outros pensadores, apresenta-nos uma crítica aos valores atuais. Desenvolve, ainda, a ideia do “Saber Perder”, que, em sua visão, é a virtude necessária para o indivíduo contemporâneo seguir sua trajetória sem perder o foco do que realmente é importante.

Sobre o autor: Antoine Abed é presidente fundador do Instituto Dignidade, filantrópico, empreendedor e estudante de Filosofia. Atuou como professor voluntário na África do Sul, Quênia e Nepal, desenvolvendo a educação, saúde pública e infraestrutura local. Aos 35 anos de idade, descobriu uma paixão, o montanhismo. Já coleciona alguns cumes na América do Sul e Havaí, porém sua grande conquista foi em 2018, quando alcançou o Everest Base Camp, no inverno.