Como se tornar uma pessoa mais interessante? – Afina Menina

Como se tornar uma pessoa mais interessante?

Você sente que as pessoas não dão atenção ao que você tem a dizer? Ou não sabe como gerar conexão nos seus relacionamentos? Neste texto vou compartilhar como eu mudei o jogo, de alguém rejeitado, para uma pessoa que já deu entrevistas para a TV.

Já passei por esses dilemas na adolescência e após anos estudando e praticando sobre dinâmicas sociais, consegui adquirir a habilidade de ser alguém que as pessoas desejam conhecer. Todos nós temos nosso valor e merecemos a oportunidade de contar nossas histórias.

Invista em você

Desde criança, nos ensinam muito sobre o mundo lá fora; aprendemos na escola a fazer matemática, português e geografia. Esse conhecimento é importante para a vida, mas esquecem de nos ensinar sobre o essencial: nosso mundo interior. Então cabe a você investir tempo e aprender sobre seus sentimentos, emoções e se comunicar melhor.

Por onde começar?

Comece pelo contrário, ao invés de tentar ser interessante, seja interessado. Antes de falar, escute.

E antes de aprender ouvir o outro, aprenda a ouvir você mesmo. Dedique alguns minutos todo dia para ser interessado por si mesmo. Sim! O tal do autoconhecimento, mas vamos dismistificar esse processo.

Autoconhecimento não precisar ser algo complexo como meditar no alto de uma montanha as 4 da manhã ou ler 30 livros em um mês. É um processo único para cada um, e sim existem caminhos como a leitura e meditação que ajudam bastante. Mas o mais importante é que você encontre o que funciona melhor para você.

Para mim, autoconhecimento é o simples fato de parar e pensar sobre a vida no final do dia. Quando já não tenho nenhuma interferência da rotina, faço um balanço de quem eu sou e quem eu gostaria de me tornar. Revejo atitudes e comportamentos que preciso melhorar. Assim, acordo no outro dia com um norte do que preciso trabalhar em mim. E ao longo do dia, tento observar meus pensamentos e não deixar que eles me controlem, tomando as decisões por minha conta.

Encontre o que funciona melhor para você e se descubra. Vá fundo, se pergunte quem você é e como gostaria de ser, o que precisa fazer para atingir isso, como gostaria de ser lembrado pelas pessoas. Tímido, alegre, empreendedor, brincalhão, sério, carismático? Identifique como você se vê e o que precisa melhorar em si mesmo, e trabalhe diariamente um pouco nisso.

Seja curioso, leia, medite, assista vídeos no Youtube, se exercite, teste diferentes métodos de desenvolvimento pessoal e adote o que funciona melhor para descobrir sua essência.

Talvez você não encontre logo seu propósito ou o que quer fazer da vida, mas só vai saber buscando. E essa busca automaticamente já te tornará alguém interessante que está buscando evoluir.

Seja interessado

As pessoas amam se sentirem importantes e estão cheias de histórias para contar. Quando você se mostra interessado pela vida do outro, isso gera conexão e te faz ser uma companhia agradável.

Quando alguém está contando algo, temos a mania de já preparar a resposta na nossa cabeça e falar: “eu já fiz isso também”, “eu conheço esse lugar”, “eu não fui mas gostaria de ir lá”. Perceba que o “eu” está sempre na frente, temos essa ansiedade de contar nossas experiências.

Tente controlar esse sentimento, ouvir a pessoa e, ao invés de dizer “eu também”, passe a fazer mais perguntas a ela sobre o assunto. Cuidado para não parecer um bisbilhoteiro, se mostre interessado fazendo perguntas que estejam relacionadas ao que a pessoa te contou sem ser intrometido. Por exemplo, a pessoa te fala que foi viajar para outro país, não pergunte quanto ela gastou mas sim como foi a experiência dela naquele lugar.

Consequentemente ela também vai ficar interessada em saber sobre você, aí é a hora de falar e contar sobre si. Você vai perceber que as pessoas vão começar a admirar sua habilidade de ouvir e vão te procurar mais vezes para conversar.

Sendo interessado, fazemos com que a outra pessoa se sinta importante, e ao mesmo tempo elas percebem que não somos carentes por atenção e sim uma companhia agradável.

Seja apaixonado pela vida

Agora que já trabalhamos o autoconhecimento e o interesse pelo outro, é hora de aprender a contar nossas histórias de forma interessante.

Veja mais  A história do perfume mais famoso do mundo

Com certeza você que está lendo tem alguma história de superação incrível na vida, já enfrentou muitos obstáculos e viveu várias experiências diferentes. Ou mesmo se acha que não, você pode falar do que considera “uma vida normal” de uma forma interessante. Seja apaixonado por cada detalhe da sua vida, desde as dores até as alegrias, qualquer pessoa apaixonada por qualquer coisa é interessante.

É incrível ouvir alguém que é apaixonado pela vida, aquela pessoa tem brilho nos olhos ao contar sobre o que faz, por mais simples que seja.

Exercício prático

Vou dar um exemplo contando um trecho da minha história.

Eu fracassei na vida. Minha vida é difícil porque minha mãe me criou sozinha e nunca tivemos dinheiro para ter uma vida boa. Eu tentei fazer uma faculdade de administração mas reprovei 3 anos em estatística, sou péssimo com números, trabalhei 6 anos em escritórios mas nunca me adaptei muito bem, tive um relacionamento de 5 anos mas não deu certo e estou sozinho há dois anos. Depois de largar tudo, fui ser autônomo e trabalhar como ajudante de pedreiro, e tento buscar um sonho de ser modelo. Mas eu fiquei acima do peso por muito tempo e não consegui muitos trabalhos e a carreira é muito difícil, não sei se vou conseguir ser alguém na vida um dia.

O que você sentiu lendo isso? Aposto que pena, dó, tristeza, vitimização, nojo ou tudo isso junto. Por mais que nossa sociedade ainda valorize muito a vitimização, essa postura facilmente te torna em alguém chato. Ninguém gosta de estar na companhia de alguém pessimista que só reclama da vida. Não precisamos omitir a realidade ou fingir ser quem não somos, mas a forma como contamos os fatos muda tudo.

Agora vou contar de forma resumida a história acima, que foi a que tive privilégio de compartilhar em diversas entrevistas na mídia.

Eu me descobri na vida, me perdi para me encontrar. Fracassei para o mundo e tive sucesso no meu coração. Minha mãe nunca teve muitas condições de me criar, mas sempre me deu muito amor e eu tive saúde para correr atrás dos meus objetivos. Tentei seguir uma carreira administrativa, mas me vi infeliz, larguei tudo para seguir meu coração. Tem sido difícil, mas hoje sou mais feliz trabalhando no pesado do que no ar-condicionado. Decidi ficar solteiro nos últimos dois anos para focar no meu sonho. A carreira de modelo é muito difícil, mas eu escolhi fazer isso porque me desafia a me tornar alguém melhor a cada dia. Às vezes, eu ganho menos que antes, mas tenho mais paz de espírito e sei que daqui a alguns anos vou ganhar mais do que já ganhei na vida. Realmente, não sei se eu vou chegar onde eu sonho, mas estou satisfeito pela coragem que tenho de enfrentar os obstáculos pelo caminho para chegar lá. E tenho certeza que estou cumprindo meu propósito, melhorando a minha vida e inspirando pessoas pelo caminho.

Notou alguma diferença? A mesma história, mas tenho certeza que despertou algum outro tipo de sentimento em você. Algo mais positivo ou inspirador, ou pelo menos você já tirou aquela imagem chata de vitimização.

Humildade versus Vitimismo

Agora tente aplicar o exemplo acima na sua história de vida toda vez que for conversar com alguém. Tente transmitir uma energia positiva e passará a ser mais interessante.

Como pode ver, não precisei ocultar os fatos de que eu fracassei, que tenho dificuldades e incerteza. Eu apenas falei de forma confiante e inspiradora, que mesmo com esses obstáculos, eu sigo lutando pelos meus sonhos. Aí está a diferença entre humildade e vitimismo, você deixar as pessoas verem que você é falho e tem dificuldades, mas que isso não define quem você é. Que a vida pode ter sido injusta, mas isso não é desculpa, que você tem garra e autorresponsabilidade para conquistar seus objetivos.

E isso se aplica para coisas simples da vida também. Para contar sobre seu trabalho, estudos ou dia a dia. Não diga apenas, “eu faço isso”, conte de que forma o seu trabalho impacta o mundo a sua volta.

Veja mais  Fome é diferente de vontade de comer

Liste em um papel ou pense sobre todas as áreas da sua vida, e de que forma você poderia compartilhar isso de maneira mais inspiradora. Se quiser se profundar, pesquise sobre “storytelling“, existem diversos vídeos em português ensinando técnicas sobre como se expressar de forma mais interessante.

Tenha autoridade

Mesmo se você fizer tudo isso, as pessoas não vão te dar ouvidos se você falar de algo que nem você aplica na sua vida.

Vejo por aí muitos “especialistas” em vários assuntos, que até vendem cursos pela internet mas não vivem o que falam. Às vezes eles até conseguem enganar algumas pessoas, mas no geral, se você não passar credibilidade sobre o assunto, ninguém vai querer te ouvir.

E você não precisar ser especialista para falar sobre determinado assunto, apenas tenha noção do que está falando e se assegure de que é algo que você realmente vive.

O mundo não espera que você seja perfeito ou saiba todas as vírgulas do assunto, as pessoas apenas querem que você ajude elas de algumas forma entregando alguma informação útil.

Por exemplo, eu produzo textos e vídeos sobre desenvolvimento pessoal e estou longe de ser uma pessoa superevoluída. Eu deixo sempre claro que também estou no processo de evolução e apenas compartilhando os ensinamentos que obtive no caminho.

Eu falo sobre superar a depressão e a timidez porque eu vivi isso e tenho resultados que passam credibilidade para as pessoas. E eu não falo sobre finanças por exemplo, pois é algo que nem eu domino na minha vida. O dia que eu tiver liberdade financeira, certamente irei ajudar a outras pessoas a chegarem lá, mas até esse dia chegar prefiro apenas ouvir quem já fez acontecer.

Trabalhe com a materialização, as pessoas gostam de ver o antes e depois, a transformação. Então fale sobre o que você já fez e deu certo. Ou o que tentou fazer e deu errado. O importante é ser sincero e não tentar impressionar as pessoas, deixe que seus resultados falem por você.

Aceitar suas imperfeições é duro, mas é libertador. E por mais falho que você seja, todos nós somos e as pessoas admiram quem é autêntico.

Agregue valor

Por fim, após se conhecer, aprender a ouvir e melhorar sua comunicação, se preocupe em agregar valor ao mundo. Não associe isso a dinheiro, apesar de que também pode fazer parte. Mas me refiro a entregar algo de bom para as pessoas, seja um ensinamento, um elogio, um bom dia, uma mensagem de apoio, pague um café para conversar com um amigo ou dê um abraço sincero em alguém.

Seja a pessoa sincera que fala a verdade quando necessário, mas que sempre busca apoiar o projeto dos outros. Lembra? Seja interessado.

Entenda também que as vezes precisamos desabafar com alguém, só que todo mundo tem problemas na vida. E alguém que só reclama de tudo se torna insuportável, por mais que o assunto da conversa seja triste procure sempre finalizar suas conversas com algo positivo.

Aceite que mesmo fazendo tudo isso algumas pessoas ainda vão te rejeitar, faz parte da vida, e ninguém é obrigado a ouvir o que você tem a dizer. E não se preocupe, chega um ponto que sua história fica tão interessante que mesmo quem não gosta de você vai ouvir falar dela por aí.

E entenda que não estou compartilhando isso para que você manipule as pessoas em busca de atenção. Use esse conhecimento com sabedoria para extrair o melhor dos outros, fazer elas se sentirem bem com isso e, consequentemente, se tornar uma pessoa mais interessante de forma natural.

Um abraço e até a próxima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *