Não Caia na Armadilha do Autoconhecimento – Afina Menina

Não Caia na Armadilha do Autoconhecimento

Não Caia na Armadilha do Autoconhecimento

Na jornada do autoconhecimento muitas vezes nos libertamos de pensamentos negativos e aprendemos a nos tornar nossa melhor versão. Aprendemos a ler, meditar, nos alimentar melhor, ser mais produtivos e expandimos nossa mente. Porém, corremos o risco de sair de uma prisão mental e entrar em outra, e é sobre isso que vou falar aqui.

 

Quando Valores São Apegos do Ego

 

É importante termos valores, mas é comum que nossas crenças virem apegos. E isso nos prende em bolhas, onde nos apropriamos das nossas ideias como sendo as únicas verdadeiras e corretas. Ficamos cegos para todas as diferentes possibilidades na vida.

Nos apegamos a rótulos, e passamos a julgar as pessoas que não estão ligadas ao que acreditamos. Ignoramos ou tentamos mudar quem está a nossa volta. Este é um grande mal que identifiquei buscando o autoconhecimento. Sem perceber podemos nos apropriar de um sentimento de superioridade, de donos da verdade.

 

Como Isso Afeta Nossos Relacionamentos

 

A gente passa a ter uma vida saudável e julga quem só come fast food. Paramos de beber e nos sentimos seres humanos melhores do que quem gosta de tomar sua cervejinha. Ou bebemos e falamos que quem não bebe, não sabe apreciar a vida. Aprendemos a meditar e nos sentimos seres altamente espiritualizados. Aí já está estampada nossa identificação do ego com nossos valores.

Eu era desses de falar “nunca mais vou fazer isso ou aquilo”, “nunca vou me relacionar com uma pessoa assim”. Mas quando caiu a ficha, percebi que buscando a liberdade estava criando muros na minha mente. Eu afastava pessoas incríveis da minha vida só porque elas pensavam diferente de mim. Não é à toa que o mundo todo está tão polarizado com pessoas se apegando a crenças e brigando umas com as outras.

 

Como Mudar Esse Quadro

 

Para não cair nessa armadilha acredito que é importante ter valores e crenças, mas estar aberto para a vida. Se cercar de pessoas que tem valores parecidos faz sentido, mas elas não precisam ser iguais a você, também podemos estar abertos para novas opiniões respeitando a individualidade de cada um. No meu caso, coloquei todas as minhas crenças e valores no liquidificador. Misturei tudo, filtrei os bagaços (aquilo que não se encaixava na minha essência) e passei a beber só da fonte de conhecimento que me faz bem. Tento a cada dia me policiar para não ter esse julgamento de superioridade, e estar aberto a conhecer novas teorias, crenças e pessoas.

Quando encontramos nosso propósito de vida e valores, podemos ser como um livro com páginas preenchidas e algumas em branco. Não quer dizer que você vai permitir que qualquer um escreva o que quiser em você. É dizer sim para a vida, se permitir viver experiências diferentes, permitir que outros escrevam em nós com lápis. Para depois apagarmos aquilo que não é bom para nossa essência, e reforçar com caneta o que faz sentido para a gente.

Por fim como falei no início do texto, não tome tudo que eu disse aqui como verdade. Apenas reflita e filtre o que faz sentido para você.

 

Um Abraço, até a próxima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *