A vida é feita de escolhas, mas também de recomeços

A vida é feita de escolhas, mas também de recomeços

 

Muitas decisões importantes da nossa vida precisam ser tomadas quando ainda somos jovens e inexperientes. Nem sempre acertamos de primeira, às vezes ficamos infelizes com a área que escolhemos estudar ou trabalhar. Muitas pessoas acabam achando que a vida é assim mesmo, e passam o resto dos dias apenas sobrevivendo sem buscar sonhos maiores. Eu vivia assim anos atrás, apenas vendo os dias passarem, mas consegui reescrever minha história e voltar a encontrar propósito e alegria no meu trabalho. Se você está lendo esse texto é sinal que também está buscando melhorar a sua realidade. Vou compartilhar aqui um pouco da minha trajetória de escolhas erradas até encontrar as que me fizeram ter vontade de sonhar de novo.

Onde foi que eu errei?

Fui uma criança tímida e com baixa autoestima. Tentei a carreira de modelo, mas fui enganado por agências, aí desisti desse sonho. Quando adolescente, acabei indo estudar administração, pois diziam que era fácil de conseguir emprego. Entrei na universidade Federal do Paraná, cursei por três anos, mas conclui só dois, pois reprovei três anos seguidos em estatística. Aí já percebi que era a primeira escolha errada.

Cheguei a trabalhar por seis anos na área administrativa, no ar-condicionado, fazendo relatórios no computador. Aprendi muito, até fui “feliz” por um tempo. Mas a cada dia ia perdendo a paixão pelos escritórios. Me sentia inútil trabalhando onde me sentia infeliz.

Mas, devido a pressão social de “ser alguém na vida”, mentia pra todo mundo. Dizia que logo ia terminar a faculdade e ser efetivado na multinacional que trabalhava. Só que esse desânimo e mentiras cavaram minha cova para a depressão. O dinheiro que ganhava no trabalho era gasto em comida ou bens materiais em troca de minúsculos momentos de alegria.

Quando já pensava em acabar com minha vida, percebi que não tinha mais nada a perder. Estava cansado daquela vida sem sentido. Juntei minhas últimas forças, me planejei e guardei uns três meses de salário para pedir demissão. Também desisti do curso de administração.

As perguntas e julgamentos do tipo “você não tem medo de largar um trabalho registrado?” “você precisa fazer uma faculdade” já nem incomodavam. Já estava morto por dentro. Pensei que qualquer coisa era melhor naquele momento.

Do escritório para o canteiro de obras

Fiquei perdido pra me reencontrar. Comecei a estudar novas áreas e buscar novas experiências profissionais. Já trabalho como autônomo há três anos, desde ajudante de pedreiro a jardineiro, pintor, babá, vendedor, super-herói, modelo, ator. Acabei redescobrindo o que me faz feliz. Ainda estou descobrindo.

Fui parar no cenário mais aleatório possível, trabalhando como ajudante de pedreiro e correndo atrás da carreira artística como modelo e comunicador. Compartilhando minha trajetória de vida nas redes sociais, já dei entrevistas para o jornal e TV. E hoje sou mais feliz trabalhando no pesado do que fazendo relatórios no ar-condicionado.

O que aprendi me arriscando

Viver essa instabilidade e diferentes experiências me “obrigou” de forma positiva a descobrir as coisas que eu realmente amo fazer e em que sou bom. Às vezes, trabalho de domingo a domingo, em outras posso sair para tomar um café segunda à tarde.

É um processo doloroso abrir mão da estabilidade e sair da zona de conforto. Recomeçar do zero pode levar anos, é preciso estar disposto a não ligar para julgamentos, a dar a cara a tapa pra conseguir trabalho, usar uma mesma calça por um ano, ter apenas um par de tênis em alguns momentos. Porém, nunca é tarde para recomeçar. E te garanto que é libertador, pra mim a paz de espírito ao deitar no travesseiro não tem preço. Só temos uma vida pra viver e uma chance de ser quem queremos ser.

Planeje-se antes de “largar tudo”

Tudo bem se você errou nas suas escolhas, isso é mais normal do que imagina. Aproveite as boas lições que teve nessa jornada até aqui. O importante é que tendo consciência disso, você pode buscar novos caminhos.

E quando falo em largar tudo e tentar descobrir o que amamos, me refiro a um processo planejado. É importante definir prazos e guardar algum dinheiro para que no começo desse processo você consiga sobreviver. E, às vezes, estar disposto a reduzir custos na sua vida por um tempo. Caso você tenha uma família que dependa financeiramente de você, é preciso se planejar ainda mais. Mas lembre-se que sempre é possível reescrever sua história, e melhor começar do zero do que viver infeliz pro resto da vida.

Inclusive você pode continuar no seu emprego ou faculdade atual e aos poucos ir investindo em outras áreas como se fosse um hobby. Até que isso lhe garanta retorno financeiro suficiente para abrir mão da sua antiga vida. Eu ainda continuo trabalhando como servente de pedreiro, até que a profissão artística me dê o retorno suficiente para deixar as obras.

Se você não puder recomeçar em breve, defina que daqui um ano você vai mudar seu emprego e começar um novo curso, e até lá vai guardar algum dinheiro para se manter lá na frente. Definir um prazo limite para a situação atual irá tirar um peso das suas costas de que isso não é para sempre, e te dá esperanças de um novo começo. Começando a buscar algo que você realmente ama te dará forças para enfrentar todos os obstáculos.

Indicações complementares

Se você se identificou com o texto, deixo aqui a indicação do filme Clube da Luta, que trata muito bem sobre o tema de sair do piloto automático e recomeçar uma vida nova. Se você prefere ler, indico o livro “O Poder do Subconsciente” de Joseph Murphy, com certeza irá ajudar a te guiar nesse processo de mudar sua vida.

Caso não saiba nem por onde começar, veja o texto anterior sobre como encontrar seu propósito de vida. https://afinamenina.com.br/2020/05/13/como-encontrar-seu-proposito-de-vida/

Um forte abraço e até a próxima semana.

Francisco Albuquerque

@pedreiromodel

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *